Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de março de 2018, 09h57

Alckmin sente pressão por declaração fascista e agora pede punição a quem atirou contra caravana de Lula

Sobre a agressão sofrida, o tucano disse que “o PT colhe o que plantou”. Diante da repercussão negativa, voltou atrás

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, parece ter se arrependido da declaração que deu sobre os tiros que atingiram o ônibus da Caravana de Lula. Na terça-feira (27), ele disse sobre a agressão que “o PT colhe o que plantou”. Na manhã desta quarta-feira (28), ele tentou apaziguar as coisas em sua conta no Twitter:

“Toda forma de violência tem que ser condenada. É papel das autoridades apurar e punir os tiros contra a caravana do PT. E é papel de homens públicos pregar a paz e a união entre os brasileiros. O país está cansado de divisão e da convocação ao conflito.”

As declarações do governador, antes de assistir à pré-estreia de “Nada a Perder”, cinebiografia do bispo Edir Macedo, pegaram muito mal e ele recebeu várias críticas.

Na ocasião, Alckmin ainda acusou a legenda rival de “sempre partir para dividir o Brasil, nós contra eles”. Agora, disse, “acabaram sendo vítimas” dessa polarização.

Voltou atrás rapidamente.

 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum