Entrevista exclusiva com Lula
13 de março de 2019, 17h26

Após atentado, deputados da oposição pedem mais controle de armas; governistas se omitem

"Tragédias como essa resultam do incentivo à violência e à liberação do uso de armas", disse Gleisi Hoffmann (PT-PR), em sintonia com outros deputados da oposição; parlamentares governistas se calaram ou apenas lamentaram

Montagem: Viomundo

O atentado a tiros em uma escola pública de Suzano (SP) que deixou 10 pessoas mortas na manhã desta quarta-feira (13) gerou diferentes reações entre deputados governistas e da oposição.

Enquanto parlamentares do campo progressista lamentaram as mortes e propuseram debates sobre um maior controle de armas de fogo no país para evitar novas tragédias, deputados governistas e correligionários de Jair Bolsonaro, responsável pelo decreto que facilitou a posse de armamentos, em sua maioria, se calaram. Os que fizeram pronunciamentos se limitaram a lamentar as mortes ou ainda associar o atentado ao “fracasso do Estatuto do Desarmamento”, defendendo ainda mais armas.

Foi o que fizeram os senadores Flávio Bolsonaro e Major Olimpio, ambos do PSL do presidente. “Mais uma tragédia protagonizada por menor de idade e que atesta o fracasso do malfadado estatuto do desarmamento, ainda em vigor”, escreveu Flávio.

“Enquanto as armas forem ilegais, apenas os ilegais terão armas! Fracasso e safadeza da “farsa da política desarmamentista” que armou criminosos e impediu a legítima defesa”, postou Olimpio.

Líder do governo no Congresso, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) se limitou a dizer que estava “muito triste” e replicar a notícia do ataque.

Muitos parlamentares ativos nas redes sociais e que compõem a base do governo, no entanto, se calaram. Um exemplo é o deputado federal Alexandre Frota (PSL-SP), que faz dezenas de postagens diariamente, muitas defendendo a facilitação da posse de arma. Desta vez, no entanto, o ex-ator pornô se omitiu.

Já o líder do governo federal na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), assim como o presidente, demorou mais de 6 horas após o massacre para se pronunciar. “Meus sinceros sentimentos às famílias das vítimas da tragédia de Suzano-SP. Que Deus os conforte nesse momento de dor”, escreveu.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), falou sobre seu empenho para “desarmar espíritos”.

“A tragédia de Suzano, hoje, mostra que é hora de o Brasil unir forças e competências para compreender o que houve e impedir a repetição de massacres como este. Precisamos ser solidários com as famílias, parentes e amigos das crianças e dos funcionários da escola Raul Brasil. Meus pensamentos e toda a minha solidariedade estão com eles. Como homem público, também o meu empenho para desarmar espíritos, buscar convergências e levar paz à sociedade”, postou.

Para a esquerda, menos armas 

Já os deputados da oposição e do campo progressista procuraram, ao comentar o atentado em Suzano, ampliar a discussão para evitar novas tragédias. Em sintonia, a maioria deles defendeu um maior controle de armas de fogo.

“Toda solidariedade às vítimas da escola de Suzano. Tragédias como essa resultam do incentivo à violência e à liberação do uso de armas. O Brasil precisa de paz”, disse Gleisi Hoffmann (PT-SP).

Na mesma linha foi a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ). “A quem interessa um país dividido pelo ódio e armado? Quantas tragédias mais teremos que viver? Quando haverá paz para as famílias destroçadas pela violência? Armas não são a solução”, postou.

Confira, abaixo, a repercussão do ataque entre outros deputados da oposição.

André Figueiredo (PDT-SP)

“Meu Deus, que tragedia em Suzano(SP) ! 5 crianças de uma escola assassinadas junto com um funcionário e muitas outras feridas, provocada por 2 adolescentes que atiraram a esmo e se suicidaram. Esse não é o Brasil que queremos!”

Paulo Pimenta (PT-RS)

“Toda a minha solidariedade às famílias das vítimas da tragédia na escola em Suzano. A bancada do PT vai sugerir à presidência da Câmara a criação de uma comissão externa para acompanhar de perto a investigação do episódio.”

Ivan Valente (PSOL-SP)

“Tragédia em Suzano vitima crianças Lamentamos profundamente o ocorrido na Escola Raul Brasil deixando 10 vidas ceifadas e vários feridos. O estímulo ao uso e o acesso a armas e munições devem ser limitados e inibidos para evitarmos a repetição de tragédias como essa.”

Alessandro Molon (PSB)

“Chocado e entristecido com as primeiras notícias do tiroteio numa escola em Suzano. As informações até agora dão conta de crianças mortas… Que tragédia!”

Tabata Amaral (PDT-SP)

“Recebi com grande tristeza e pesar a notícia da tragédia que ocorreu em uma escola em Suzano, na Grande São Paulo. Me solidarizo com a dor dos pais e repudio todo tipo de violência. Enquanto aguardamos mais informações oficiais sobre o que aconteceu, deixo meu abraço apertado a todos os funcionários e alunos da escola estadual Professor Raul Brasil e aos familiares das vítimas.”

Paulo Teixeira (PT-SP) 

“Triste e lamentável! Espero que as crianças sobrevivam. E o governo Bolsonaro propondo liberar armas. Oito crianças são baleadas dentro de escola em Suzano, na Grande SP.”

Talíria Petrone (PSOL-RJ) 

“Arma mata, destrói famílias, lares e colégios. Esse não pode ser o país das tragédias que tiram vidas, acabam com sonhos. Não é esse o caminho da paz e da segurança que todos queremos. Precisamos falar sobre a facilidade do acesso às armas, cada vez mais banalizado no Brasil.”


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum