Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de abril de 2019, 06h00

Após ‘engasgar’ chanceler, Sâmia Bomfim quer explicações de Damares

Posição contrária do Brasil sobre universalização da saúde reprodutiva e sexual feminina está diretamente ligada ao Ministério da Mulher; ministra fala hoje a comissão da Câmara

Foto: Reprodução/Facebook

Após enquadrar o chanceler Ernesto Araújo na semana passada, a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) busca resposta junto à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos respostas que possam justificar a posição contrária do governo brasileiro à inclusão de menções sobre a universalização de serviços de saúde reprodutiva e sexual feminina, no mais importante evento da ONU dedicado a discutir direitos das mulheres.

O questionamento da parlamentar será feito nesta terça-feira (01), quando a ministra participará de reunião da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, onde deve ficar cara a cara com outras deputadas do campo progressista, como Alice Portugal (PCdoB-BA), Tabata Amaral (PDT-SP), Luizianne Lins (PT-CE) e Gleisi Hoffmann (PT-PR).

Sâmia garante que está levantando mais dados para confrontar a posição do Brasil sobre o tema – que implica em políticas a respeito de planejamento familiar, gravidez na adolescência, mortalidade materna, acesso a contraceptivos, combate a proliferação de DSTs, entre outros.

“A ministra não estava na ONU, mas precisa se posicionar porque são temas diretamente ligados à sua pasta”, pontua a deputada.

Na última quarta-feira (27), ao ser confrontado por Sâmia, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, gaguejou ao ser questionado pela parlamentar, tergiversou – falando sobre promoção do aborto – e precisou ser “salvo” pelo deputado federal e filho do presidente da República, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Feminicídio

A ausência de projetos para o combate ao feminicídio e a outros tipos de violência contra a mulher será outro eixo importante dos questionamentos das deputadas do campo progressista a Damares.

Para Sâmia Bomfim, as únicas manifestações da ministra sobre o tema até agora apenas reforçam o machismo e os padrões de gênero. A parlamentar lembra de declarações, no Dia Internacional da Mulher, de que os meninos seriam ensinados a entregar flores e abrir a porta do carro para as meninas.

Homeschooling

Após responder os questionamentos da comissão, Damares deve participar do lançamento da Frente Parlamentar em Defesa do Homeschooling – bandeira do governo Bolsonaro e da ministra, a despeito da posição contrária do Supremo Tribunal Federal (STF). No entanto, vários projetos tramitam no Congresso com o propósito de regulamentar o ensino em casa, sob a responsabilidade dos pais.

Sâmia Bomfim afirma que, mesmo não sendo objeto direto da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, vai abordar o tema com a ministra nesta terça-feira.

A deputada afirma que a proposta busca viabilizar uma educação que não estimula a crítica e está relacionada ao lobby de Damares junto a setores evangélicos.

 

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum