Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de junho de 2019, 07h32

Após PF vazar lista por “descuido”, Lava Jato tentou blindar Moro de Teori Zavascki, do STF

Deltan Dallagnol procurou o delegado Márcio Anselmo, da PF, minutos depois de receber a reclamação do juiz, em 2016, e disse: "Moro está chateado". Teori, que foi relator da Lava Jato no STF, morreu em acidente aéreo em janeiro de 2017

Sergio Moro e Teori Zavascki (Montagem)

Após o vazamento pela Polícia Federal por “descuido” de documentos da Odebrecht, incluindo uma lista de políticos investigados pela Lava Jato que teriam foro privilegiado em 2016, procuradores e agentes da PF que atuavam na Lava Jato se articularam via aplicativos de mensagens para dar apoio e blindar Sergio Moro da tensão causada com o ministro Teori Zavascki, relator dos processos da operação na corte.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

As informações foram divulgadas neste domingo (23) pelo site The Intercept, em parceria com a Folha de S.Paulo. Segundo a reportagem, as mensagens indicam que os procuradores e o então juiz temiam que Teori – morto em um acidente aéreo em 2017 – desmembrasse os inquéritos que estavam sob controle de Moro em Curitiba e os esvaziasse num momento em que as investigações sobre a Odebrecht avançavam rapidamente.

Segundo as conversas, por descuido, no dia 22 de março de 2016 a Polícia Federal anexou os documentos da Odebrecht aos autos de um processo da Lava Jato sem preservar seu sigilo, o que permitiu a divulgação do material por um blog mantido pelo jornalista Fernando Rodrigues na época.

“Tremenda bola nas costas da Pf”, disse Moro, em mensagem a Dallagnol. “E vai parecer afronta”, acrescentou, referindo-se à reação que esperava do Supremo.

Deltan procurou então encorajar Moro e lhe prometeu apoio incondicional. “Saiba não só que a imensa maioria da sociedade está com Vc, mas que nós faremos tudo o que for necessário para defender Vc de injustas acusações”, escreveu.

“Moro está chateado”
Em 28 de março, após receber manifestação formal do Ministério Público sobre os processos, Moro mandou para o STF dois inquéritos e uma ação penal que estavam em andamento em Curitiba, incluindo os autos com a lista da Odebrecht, para que Teori decidisse o que fazer com eles.

As mensagens mostram também que procuradores e policiais se mobilizaram em diversos momentos para manter o juiz como um aliado da força-tarefa, seguindo sua orientação até mesmo quando criticou uma procuradora cujo desempenho numa audiência lhe parecera fraco.

No caso da lista da Odebrecht, Deltan procurou o delegado Márcio Anselmo, que chefiava as investigações sobre a empresa, minutos depois de receber a reclamação do juiz. “Moro está chateado”, escreveu. “Vai apanhar mais do STF, porque vai parecer afronta”, acrescentou, repetindo a palavra usada pelo juiz antes.

Deltan afirmou ao delegado que ele cometera um erro na sua avaliação e pediu que fosse mais cuidadoso. “O receio é que isso seja usado pelo STF contra a operação e contra o Moro. O momento é que ficou ruim”, explicou. “Vem porrada.”


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum