Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
26 de março de 2019, 16h52

Após selar unidade, partidos de oposição traçam estratégias para barrar reforma da Previdência

PT, PDT, PSB, PCdoB, PSOL e Rede têm o desafio de buscar mais 71 votos para barrar a íntegra da PEC de Jair Bolsonaro; entendimento é de que não há como "salvar" proposta por emendas

Dirigentes partidários, líderes e parlamentares de oposição selaram união e traçaram estratégias nesta terça-feira / Vinicius Lousada

Mais do que aliançar a unidade para a luta contra a Reforma da Previdência em manifesto assinado por PT, PDT, PSB, PSOL, PCdoB e Rede, o encontro de presidentes dos partidos e líderes das legendas na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (26), apontou para o início da costura de estratégias pragmáticas que viabilizem a derrota da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) de Jair Bolsonaro.

Os imbróglios para a articulação política na base e no próprio partido do presidente da República, bem como a posição do Centrão contra pontos específicos do texto enviado ao Congresso, não devem acomodar a oposição, avaliam parlamentares experientes.

Isso porque foi consensual, no encontro, o entendimento de que a retirada de pontos como a aposentadoria para o trabalhador rural e a redução do valor pago a idosos em situação de extrema pobreza – proposta defendida por legendas como MDB, PTB, PSD, PR, PRB, DEM e PSDB – não são suficientes para impedir o que os partidos de esquerda chamam de “fim da previdência”.

“Não tem como fazer emenda em tecido podre”, comparou o líder do PCdoB, deputado Daniel Almeida (BA). “Não adianta passar perfume em porco”, emendou o líder do PT, Paulo Pimenta (RS).

Ainda assim, André Figueiredo (PDT-CE) diz ser importante que, independentemente de concordância de mérito, as bancadas dos seis partidos se comprometam a assinar as emendas de autoria de cada um deles para que nenhuma seja barrada por inadmissibilidade, ou seja, antes mesmo de serem apreciadas.

Na ponta do lápis

O parlamentar ainda reforçou contas que o grupo de oposição de esquerda precisa fazer. Juntas, as seis legendas somam 135 votos. “Precisamos de mais 71. Com deputados de partidos de centro que tendem a votar contra, como o Solidariedade, Podemos, PROS, conseguimos mais 30”.

Líder do PSOL, Ivan Valente (SP) pontuou que o momento exige o abandono da postura defensiva. “Precisamos partir para a ofensiva”.

A necessidade de se apostar em comunicação eficaz foi outra questão levantada, considerando a postura unânime dos grandes conglomerados de mídia, que já não escondem a irritação com Bolsonaro pela dificuldade do governo em viabilizar a Reforma da Previdência.

A reunião foi conduzida pelos líderes da oposição e da minoria na Câmara, os deputados Alessandro Molon (PSB-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Construção de alternativas

Após o encontro que selou a unidade dos seis partidos, Molon explicou que o documento, para além de repudiar a Reforma da Previdência proposta por Jair Bolsonaro, apresenta alternativas para a solução do problema fiscal da União.

“O Brasil percebe que não tem governo. O ministro da Economia [Paulo Guedes] foge da Câmara, onde deveria defender sua proposta. Enquanto isso, o presidente vai ao cinema. Enquanto governo não está, a oposição está preocupada com o Brasil e vai apresentar alternativas para o País ter uma saída para a grave crise que enfrenta”, disse o deputado.

A eliminação de distorções e privilégios, o reforço das fontes de financiamento por meio da taxação de lucros e dividendos, das grandes fortunas e dos juros sobre capital próprio, a revisão de isenções e a desonerações e o combate à sonegação estão entre os caminhos apontados em nota dos partidos de oposição.

Antes, os líderes partidários embasam dez razões que apontam os ataques à Seguridade Social na PEC da Previdência de Bolsonaro.

Desconstitucionalização da previdência, penalização dos mais pobres, desconsideração de peculiaridades de trabalho de mulheres e trabalhadores do campo, o sistema de capitalização – que transferirá fortunas da poupança pública para os bancos privados -, modelo de transição cruel, condenação de idosos à extrema miséria e a desaceleração da economia interna de 72% dos municípios são alguns dos fatores elencados.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum