sábado, 19 set 2020
Publicidade

Artífice do golpe contra Dilma, Temer vai para cadeia após adular Bolsonaro

Um dos principais artífices do golpe militar que arrancou Dilma Rousseff (PT) da Presidência – ao lado do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha -, Michel Temer (MDB) foi para a cadeia três meses após deixar o poder adulando Jair Bolsonaro (PSL).

Leia também: Michel Temer é preso três meses após deixar o poder

Antes de entregar a faixa presidencial a Bolsonaro, Temer chegou a baixar um decreto autorizando o abate de aviões e uso de mísseis na posse do capitão – medida inédita em cerimônias de posse presidencial, válida apenas por 24 horas.

Como uma das barganhas, ganhou a manutenção no cargo na direção de Itaipu de um de seus principais aliados, o ex-ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

Alçado à Presidência após ser parte por décadas de um congresso mergulhado na fisiologia política, Temer foi tido como “arauto da moralidade” pelos ex-colegas de parlamento e grande parte da mídia, chegando a receber prêmios em revistas alinhadas, como a Istoé.

Próximo a Bolsonaro, com quem conviveu por décadas no Legislativo, Temer saiu em defesa do ex-colega de Câmara em uma de suas últimas entrevistas, dizendo que era preciso “dar crédito” ao capitão, que deveria ser poupado das críticas na crise que levou à exoneração do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.