Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
15 de outubro de 2018, 17h02

Ator que interpretou Sergio Moro declara apoio a Haddad em redes sociais

“Sempre votei na esquerda! Entre o fascismo e outro lado fico no outro”, postou Marcelo Serrado, o mesmo que teve atuação intensa nos protestos favoráveis ao impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff

Foto: Divulgação/TV Globo

Marcelo Serrado, ator que fez o papel do juiz Sergio Moro no filme “Polícia Federal – A Lei é Para Todos”, que mostrou de forma parcial e caricata as ações da Operação Lava Jato, manifestou apoio à candidatura de Fernando Haddad (PT) à presidência da República, de acordo com informações de Joelmir Tavares, da Folha de S.Paulo. Em 2016, Serrado teve intensa participação em protestos favoráveis ao impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT).

O ator, que no primeiro turno apoiou Marina Silva, candidata pela Rede, avalizou um posto da atriz Patrícia Pillar no Instagram, no qual ela afirma ter “respeito e admiração” aos “amigos antipetistas que não votar no Haddad em prol da democracia”.

Serrado postou: “Sim! Vamos juntos”. Uma usuária das redes que indagou se ele “não era de direita”, respondeu: “Não, amor! Sempre votei na esq! Entre o fascismo e outro lado fico no outro”.

Financiadores misteriosos

O filme “Polícia Federal – A Lei é Para Todos” nasceu em meio à polêmica diante de seus financiadores. Em maio de 2017, embora tenha conhecimento, o então diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, se negou a revelar quem eram os investidores da produção. A decisão de manter em segredo foi uma resposta encaminhada ao deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), que solicitou, via Lei de Acesso à Informação (LAI), uma série de questionamentos sobre as possíveis ilegalidades na relação entre a PF e a equipe de filmagem.

De acordo com Daiello, “a Polícia Federal teve acesso à relação de financiadores do filme, mas não é possível o fornecimento de tal documentação”. De acordo com a LAI, a recusa no fornecimento de informação constitui conduta ilícita que enseja responsabilidade do agente público ou militar.

Além de não revelar quem eram os financiadores do filme, o diretor-geral admitiu que a Polícia Federal colaborou com a equipe de filmagens, embora reconheça que “não tenham sido elaborados documentos” prevendo essa colaboração.

 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum