Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de julho de 2019, 10h47

Bancos patrocinam economista que propôs reforma tributária

Bernard Appy, por meio do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), propôs uma reforma que cria um imposto único, que seria gerido pelo Ministério da Economia, de Paulo Guedes

Itaú patrocina economista que propôs reforma tributária com imposto único
Candido Bracher, presidente do Itaú (Montagem)

Tratado como celebridade entre os políticos liberais – em um espectro que abranje do PSDB ao PSL -, Bernard Appy, que propôs a principal proposta de reforma tributária que tramita no Congresso Nacional, recebe financiamento do Itaú e tem o apoio do Bradesco.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

O “think thank”, como é tratado no meio, tem o Itaú como um dos financiadores da sua empresa, o Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), que em sua descrição se diz “independente” e “imparcial”.

“O CCiF atua de forma independente e imparcial, tendo como referência os interesses difusos da população brasileira, não defendendo o interesse específico de qualquer empresa, grupo ou setor econômico”, diz o texto de descrição da organização. No entanto, as verbas destinadas à instituição mostram que bancos patrocinam economista que propôs reforma tributária.

Appy, por meio do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), propôs uma reforma que cria um imposto único, que seria gerido pelo Ministério da Economia, de Paulo Guedes. A principal crítica à proposta de Appy é focar em impostos sobre o consumo e não sobre os de renda.

Além de fundir os tributos federais PIS, Cofins e IPI, o texto prevê fundir o encargo estadual ICMS e o municipal ISS para criar o imposto sobre bens e serviços (IBS).

Guedes tem interesse de que a Comissão da PEC 45 apresente um substitutivo e suplante a reforma de Rossi e Appy em prol das ideias do Executivo. Ainda não apresentado, o projeto também prevê a unificação de impostos federais. Além disso, também prevê um imposto chamado imposto sobre transações financeiras (ITF), com alíquota de 0,5% e que funcionaria como a extinta CPMF.

Com informações de Guilherme Amado, da revista Época


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum