Barroso contou com maioria dos colegas do STF para instalação da CPI da Covid no Senado

Bolsonaro afrontou o ministro por conta da CPI: “falta coragem moral pro Barroso e sobra ativismo judicial”

A determinação de instalação da CPI da Covid no Senado, que rendeu impropérios por parte do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, contou com o endosso da maioria dos ministros do STF.

Barroso, de acordo com informações do Painel, da Folha, fez uma consulta informal a todos os colegas. A maioria concordou com ele com o principal fundamento da decisão: a jurisprudência do tribunal determina a instalação obrigatória de CPI quando preenchidos os requisitos, sem possibilidade de análise política por parte do presidente da Casa.

Em vídeo gravado na manhã desta sexta-feira (9), na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro afrontou o ministro por conta da CPI: “falta coragem moral pro Barroso e sobra ativismo judicial”.

“O ministro do STF faz politicalha junto ao Senado Federal. Barroso, nós conhecemos teu passado, a tua vida, o que você sempre defendeu, como chegou a STF, inclusive defendendo o terrorista Cesare Battisti, então, use a sua caneta para boas ações em defesa da vida e do povo brasileiro e não pra fazer politicalha dentro do Senado Federal”, encerra Bolsonaro.

Depois de muita pressão, principalmente de parlamentares de oposição, o ministro Barroso mandou o Senado abrir a CPI da Covid-19.

O objetivo é investigar a responsabilidade do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR