Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de fevereiro de 2018, 22h38

Bob Fernandes alerta para intimidação na coletiva do RJ: “Começa assim. Sabemos como termina”

Em comentário no 'Jornal da Gazeta', jornalista falou sobre a coletiva de imprensa sobre a intervenção no Rio e os riscos da militarização do país. "Muito mais do que incômodo é o Brasil, de novo, tornado laboratório de intervenção de tutela militar". Assista

Foto: Tânia Rego/ABr

O jornalista Bob Fernandes, em seu comentário semanal no ‘Jornal da Gazeta’ desta quarta-feira (28), falou sobre a intimidação a jornalistas ocorrida na coletiva de imprensa sobre a intervenção no Rio de Janeiro, realizada na terça-feira (27), e atentou para os riscos da militarização do país que está em curso.

Confira em texto e vídeo, abaixo, a íntegra do comentário.

Para quem ainda não entendeu, Braga Netto informou: “O Rio é um laboratório para o Brasil”. Braga Netto é o Interventor Militar no Rio. General, fardado.

Seu Chefe de gabinete, Mauro Sinott, é general. Fardado. Secretário de Segurança, Fernandez Nunez é general. Fardado.

Entrevista coletiva de Braga Nunes. Com uma ordem para os jornalistas…

…Perguntas deveriam ser por escrito, antes. Com e-mail e telefone do jornalista. Isso é intimidação. Leva à censura e autocensura. Começa assim. Sabemos como termina.

Dom Phillips, no inglês Guardian, e William de Lucca, no Twitter, expuseram ordem e formulário do “Laboratório”.

Ex-Chefe da Polícia Civil no Rio, Hélio Luz ensina:

-O problema do Rio não são os bandidos, são os mocinhos. Se ele recuperar o quadro de mocinhos, pode dar atenção real ao quadro de bandidos.

Hélio Luz define:

-Intervenção não pode se resumir a envio de capitão-do-mato à Senzala do Século 21.

Temer faz de conta presidir enquanto segue entregando o Poder para generais. E a Economia para o “mercadísmo”. Temer admitiu: pode ter intervenção militar em outros Estados.

E caiu Segóvia, o Diretor da Polícia Federal que Temer havia nomeado para fazer o serviço. Demitido pelo novo Ministro da Segurança, Raul Jungmann.

Quem manda em Jungmann é o General Etchegoyen. Que manda no Serviço de Inteligência da Presidência. E manda no Serviço de Inteligência do Brasil todo.

De linhagem secular no Exército, com ascendentes na história de ditaduras e sedições, Etchegoyen tem fome de Poder.

Débora Cadematrori, do jornal Zero Hora, registrou frase de Etchegoyen. Ladeado por Carlos Marun, aquele, o general disse:

-Nenhum de nós se incomoda de ser fotografado passando na imigração dos EUA para comprar enxoval do neto ou dos filhos. Ou para levar filhos e netos à Disney…

General: o incômodo é ser fotografo e filmado diante de um fuzil. E não na Disney, mas nas sempre oprimidas comunidades pobres e miseráveis do Rio.

Muito mais do que incômodo é o Brasil, de novo, tornado laboratório de intervenção de tutela militar.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum