Bolsonaro usa 7 de setembro para intimidar o país, diz Glenn

Para o jornalista, o presidente quer mostrar o que pode acontecer caso seus filhos sejam presos

O jornalista Glenn Greenwald disse durante entrevista ao Programão da Fórum desta sexta-feira (3) que não acredita que o presidente Jair Bolsonaro vai dar um golpe no dia 7 de setembro, mas que o mandatário pretende fazer demonstração de força.

“É muito preocupante. Bolsonaro está vendo as mesmas pesquisas que a gente e sabe que tem muito pouca chance de ganhar em 2022. O grande medo do Bolsonaro não é perder. Ele está usando a presidência para proteger a família dos crimes que cometeram. O medo é de ficar vulnerável para ser processado criminalmente”, disse Glenn em entrevista a Cynara Menezes.

Segundo o jornalista, o presidente quer mostrar o que pode acontecer caso ele ou seus filhos sejam presos.

“Esse evento no 7 de setembro não é para fazer um golpe completo, mas para mostrar ao país que ele tem a capacidade de criar violência, criar uma guerra civil, que tem apoio de facções da polícia militar. Para intimidar o país”, completou.

Apesar de fazer esse alerta sobre o golpismo de Bolsonaro, Glenn afirma que está otimista com o Brasil. “Para mim, o Brasil de hoje é mais forte do que nunca. Olha a resistência, olha como as pessoas estão resistindo. O Bolsonaro é fraco pela reação que se provocou contra ele, por isso sou otimista”, finalizou.

Notícias relacionadas

Assista à entrevista de Glenn Greenwald no Programão da Fórum:

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR