Bolsonaro apaga postagem em que se comparava a um leão cercado por hienas

Vídeo postado pelo presidente - ou pelo seu filho Carlos Bolsonaro, como aventam alguns - virou motivo de chacota

Não ficou mais de duas horas no ar a postagem em que Jair Bolsonaro se comparava a um leão cercado por hienas que queriam atacá-lo. Os predadores, no vídeo, foram representados por partidos, empresas ou organizações de  diferentes posições ideológicas. Entre eles, o PT, MBL, ONU, PSOL, Folha de S. Paulo e Rede Globo.

A repercussão da publicação foi das piores possíveis, tamanha a infantilidade da peça. Vale lembrar que o filho do presidente da República, o vereador Carlos Bolsonaro, assumiu recentemente que acessa e posta conteúdos na conta do pai no  Twitter. Muitos acreditam que tenha sido Carlos o autor da postagem que foi ridicularizada nesta segunda-feira (28).

Na gravação original, feita pelo jornalista Simon Blakeney, da BBC, um leão é atacado por um clã de hienas em meio à savana africana e só consegue fugir após um outro leão aparecer para ajudá-lo. No vídeo postado por Bolsonaro, ele é o felino cercado e o “conservador patriota” é o animal que surge para resgatá-lo.

No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste: Ajude a Revista Fórum a mergulhar na realidade dessa grande tragédia

No tuíte, Bolsonaro ainda cita países da América do Sul que não estão presentes no vídeo. “Chile, Argentina, Bolívia, Peru, Equador ….. Mais que a vida, a nossa LIBERDADE. Brasil acima de tudo! Deus acima de todos!”, disse.

O vídeo reforça o isolamento de Jair Bolsonaro, que não encontra apoio nem dentro de seu partido e já afirmou que pensa em deixá-lo.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR