Bolsonaro apaga publicação no Facebook em que pedia votos a Russomanno e Crivella

Publicação havia sido feita na véspera das eleições municipais. Nela, presidente pedia apoio a sete candidatos a prefeito e cinco a vereador

O presidente Jair Bolsonaro apagou uma publicação do Facebook em que pedia votos para candidatos a prefeito aliados, como Celso Russomanno, em São Paulo, e Marcelo Crivella, no Rio de Janeiro. A publicação havia sido feita no sábado (14), véspera das eleições municipais.

Ao todo, a publicação do presidente pedia apoio a sete candidatos a prefeito e cinco a vereador. Sem citar os partidos de cada, Bolsonaro indicava apenas o nome do candidato e seu número na urna.

Os candidatos a prefeito citados eram Coronel Menezes (Patriota), em Manaus (AM); Ivan Sartori (PSD), em Santos (SP); Delegada Patrícia (Podemos), em Recife (PE); Bruno Engler (PRTB), em Belo Horizonte (MG); Capitão Wagner (Pros), em Fortaleza (CE); Celso Russomanno (Republicanos), em São Paulo (SP), e Marcelo Crivella (Republicanos), no Rio de Janeiro.

Em relação aos candidatos a vereador, Bolsonaro pedia votos a Sonaira Fernandes (Republicanos), em São Paulo (SP); Clau de Luca (PRTB), em São Paulo (SP); Deilson Bolsonaro (Republicanos), em Boa Vista (RR); Wal Bolsonaro (Republicanos), em Angra dos Reis (RJ), e Nikolas Ferreira (PRTB), em Belo Horizonte (MG).

Wal Bolsonaro, também conhecida como “Wal do açaí”, foi funcionária fantasma do gabinete de Bolsonaro quando ele era deputado federal. Já Sonaira Fernandes trabalha com a família Bolsonaro desde 2015 e foi acusada de atuar em um grupo no WhatsApp que produzia e distribuia dossiês e fake news contra adversários. O grupo foi formado pelo deputado estadual Gil Diniz (PSL), o Carteiro Reaça.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR