Não há limites: Bolsonaro ataca o falecido prefeito de SP Bruno Covas

Presidente o criticou por ter ido à final da Libertadores, no Maracanã, com o filho. Era o último desejo do político paulista antes de morrer. Declaração foi durante sessão diária de papo-furado com seguidores no cercadinho

Numa de suas sessões diárias de papo-furado com seguidores que vão ao Palácio da Alvorada para ovacioná-lo no cercadinho localizado na portaria da residência presidencial, Jair Bolsonaro mais uma vez mostrou que seu palavrório não encontra limites quando a intenção é atacar e ofender opositores.

Após lançar impropérios contra o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso, que é também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Bolsonaro, que a todo custo tenta dar sobrevida à sua pauta em defesa do voto impresso, resolveu criticar a ida do prefeito falecido de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), com o filho Tomás, à final da Taça Libertadores da América, em janeiro deste ano.

“O outro que morreu, fecha São Paulo e vai assistir Palmeiras e Santos no Maracanã… Esse é o exemplo”, falou o chefe do Executivo federal aos fãs.

O político paulista já estava muito doente à época, por conta dos casos de metástase de seu câncer na cárdia, e revelou em entrevista, assim como fez seu filho, de apenas 15 anos, que esse era seu último desejo antes de morrer.

A atitude de Bruno Covas, naquele momento, já havia sido motivo de fortes críticas, uma vez que o prefeito posicionava-se contrário à reabertura do comércio e de outras atividades econômicas com a justificativa de que ela poderia ocasionar novos surtos da Covid-19.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR