Fórumcast #19
02 de abril de 2019, 06h12

Bolsonaro atrasa pagamentos do Minha Casa Minha Vida e construtoras ameaçam demitir 50 mil

A dívida do governo com as empreiteiras seria de R$ 450 milhões. A defasagem no cronograma começou no início do ano. O setor da construção, que chegou a empregar 3,4 milhões de pessoas, hoje emprega 2 milhões

Bolsonaro atrasa repasses ao Minha Casa Minha Vida e ameaça empregos (Montagem)

Coluna Painel, da jornalista Daniela Lima, na edição desta terça-feira (2) da Folha de S.Paulo, informa que construtoras que atuam no Programa Minha Casa Minha Vida ameaçam demitir 50 mil trabalhadores em razão da falta de repasses feitos pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) desde o início do ano.

Segundo a reportagem, a dívida do governo com as empreiteiras seria de R$ 450 milhões. A defasagem no cronograma começou no início do ano. Com a promessa de que a situação seria regularizada, os empresários aguardaram até março. Como o dinheiro não veio, eles falam agora em dispensar até 50 mil empregados nos próximos dez dias.

A Fórum está fazendo uma cobertura exclusiva da viagem do presidente Jair Bolsonaro a Israel e precisa do seu apoio. Clique aqui e saiba como ajudar

O porta-voz do recado dos construtores foi o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins. Ele enviou mensagens aos ministros da Casa Civil, do Desenvolvimento Regional e da Economia informando que “não consegue mais segurar o pessoal”.

Veja também:  Eduardo Bolsonaro divulga "pesquisa" fake que diz que popularidade do pai está crescendo

Dados da CBIC indicam que o Minha Casa, Minha Vida representa dois terços do mercado imobiliário brasileiro. O setor da construção, que chegou a empregar 3,4 milhões de pessoas, hoje emprega 2 milhões.

O Ministério do Desenvolvimento Regional informou que não houve aviso formal de demissões, mas reconheceu que “tem recebido reclamações de pagamentos abaixo do necessário”


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum