terça-feira, 29 set 2020
Publicidade

Bolsonaro criou secretaria para abrigar irmã de ministro do TST que persegue petroleiros

Atuando na linha de frente judicial e proferindo sentenças que atendem aos interesses da direção da Petrobras na perseguição ao movimento grevista dos petroleiros, que já atinge 21 mil trabalhadores de 121 unidades da estatal no seu 18º dia, o ministro do Tribunal Superior do Trabalho, Ives Gandra Martins, tem a irmã, a filosofa Angela Vidal Gandra Martins ocupando cargo de destaque no Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos do governo Jair Bolsonaro, que é capitaneado por Damares Alves.

Vídeo: Petroleiros enfrentam “decisão inconstitucional” de Ives Gandra e mantêm greve

Angela Gandra está desde o início do governo à frente da Secretaria Nacional da Família, que foi criada por Jair Bolsonaro. Em artigo na Folha de S.Paulo em março de 2019, Angela diz que o órgão “não é uma intromissão na esfera privada”, usando o argumento propagado por Olavo de Carvalho e pelo clã Bolsonaro de que o marxismo é “avesso à família”.

“De fato, é ostensiva a relação entre equilíbrio familiar e produtividade. Nesse sentido, é interessante a comparação histórica com o início da implementação da teoria marxista —avessa à família como fundamento da propriedade privada— e seu retorno à instituição, já que a instabilidade afetiva dificultava o rendimento laboral”, escreveu.

Olavismo
Na família, não é só Angela, no entanto, que segue a doutrina propagada pelo guru do clã Bolsonaro. O pai, o advogado Ives Gandra Martins, é fã declarado de Olavo de Carvalho, a quem classifica como “o mestre de todos nós”.

Em retribuição às odes do jurista, Olavo de Carvalho trabalha nos bastidores para a indicação de Ives Gandra Martins, o ministro do TST, à uma das vagas que será aberta no Supremo Tribunal Federal (STF) durante o mandato de Jair Bolsonaro.

Plinio Teodoro
Plinio Teodoro
Plínio Teodoro Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.