Bolsonaro decide efetivar Pazuello após Brasil atingir 132 mil mortes por coronavírus

O ministro evitou confrontar Bolsonaro durante a pandemia e viu os números de vítimas fatais dispararem

O presidente Jair Bolsonaro decidiu, nesta segunda-feira (14), que o general Eduardo Pazuello não terá mais o status de “interino” em seu governo e vai se tornar Ministro da Saúde efetivo. O militar chegou ao posto em maio após a demissão de Nelson Teich.

Segundo informações da Folha de S. Paulo, Pazuello estaria resistente à nomeação como efetivo, mas foi convencido por Bolsonaro. Uma cerimônia de posse deve ser realizada na quarta-feira (16). Convites já estariam sendo distribuídos entre ministros.

Nesta segunda-feira (14), o Brasil chegou a 132.006 mortes provocadas pelo Sars-Cov-2. O país é o segundo no mundo com mais mortes, atrás apenas dos Estados Unidos, e o terceiro com mais casos confirmados (4.345.610), superado somente por EUA e Índia.

Em setembro, o país superou Reino Unido e Suécia e se tornou o sexto país do mundo com mais mortes por milhão de habitantes – uma estatística que vinha sendo usada pelo governo Bolsonaro para dizer que o país não havia sido tão afetado.

A maioria das mortes ocorreram sob a gestão de Pazuello, que evitou confrontar o presidente Jair Bolsonaro em temas como uso da hidroxicloroquina – que não tem eficácia comprovada – e distanciamento social e acabou tirando o protagonismo do Ministério da Saúde no enfrentamento da pandemia.

O médico Pedro Diniz, da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, usou as redes sociais para criticar a efetivação. “O maior sistema de saúde pública do mundo na mão de assassinos”, tuitou.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR