Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de julho de 2018, 14h14

Bolsonaro defende PMs de Carajás: “Quem tinha que estar preso era o pessoal do MST”

No local, 19 sem-terra foram mortos. O coronel Mário Pantoja, comandante da operação, foi condenado a 228 anos de prisão

O pré-candidato ao Planalto pelo PSL, Jair Bolsonaro, defendeu nesta sexta-feira (13), em Eldorado do Carajás, no sudoeste do Pará, os policiais presos pela morte de 19 trabalhadores rurais sem-terra ocorrida em abril de 1996 na região.

Bolsonaro foi até o local onde os sem-terra foram executados, dez deles com tiros à queima roupa, conhecido como Curva do S, um trecho da BR-155, em Eldorado do Carajás. As execuções ocorreram por policiais militares comandados pelo coronel Mário Pantoja, condenado a 228 anos de prisão.

“Quem tinha que estar preso era o pessoal do MST (Movimento dos Sem Terra), gente canalha e vagabunda. Os policiais reagiram para não morrer”, disse Bolsonaro, em frente a troncos de castanheiras queimados que marcam o local do massacre. Um grupo de policiais que acompanhava o discurso aplaudiu.

O presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, discursou antes do presidenciável. “Bolsonaro, aqui o recado da classe produtora é direto: procuramos um presidente que não nos atrapalhe e não nos persiga”, disse. “Quando o senhor se tornar presidente, vê o que fará com essa gente da Funai, do Ibama, do Ministério Público, que não respeita a propriedade privada”, afirmou.

Com informações do Estadão


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum