Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de março de 2019, 07h58

Bolsonaro deixa um vácuo para que Mourão assuma o papel de protagonista, avalia Randolfe

Randolfe avaliar que o país está hoje mais enfraquecido comercialmente no exterior porque Ernesto Araújo inaugurou sua gestão fazendo declarações ofensivas à China

Foto: Pedro França/Agência Senado

Sob uma forte chuva que caía na Capital e ao agito da presença de Juan Gauidó, autoproclamado presidente da Venezuela, na última quinta-feira (28) o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) recebeu em seu gabinete no Senado Federal o blog para um bate-papo sobre a reforma nas aposentadorias dos brasileiros e uma avaliação dos movimentos iniciais do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O senador amapaense Randolfe aponta dificuldades do Planalto em aprovar a Reforma da Previdência, chama o ministro Ernesto Araújo de “aloprado” e critica ingerências de Bolsonaro: “Deixa um vácuo, inclusive para que o vice-presidente [Hamilton Mourão] exerça mais poder do que ele próprio”.

O congressista ainda afirma que se o governo reonerar empresas os cofres públicos podem sofrer um acréscimo na cada de R$ 200 a R$ 300 bilhões. “Nós tivemos nos últimos 10 anos R$ 400 bilhões de desonerações para médias e grandes empresas. Só para citar uma ridícula, o ex-governador Sérgio Cabral (MDB-RJ) desonerou joalherias, por motivos óbvios que nós sabemos”. [Cabral foi condenado a 198 anos de prisão.]

Abaixo a entrevista completa:

Blog do George – O governo estuda um modelo de capitalização para a Previdência com aporte apenas de funcionários.

Randolfe Rodrigues Até agora não sabemos qual é modelo de capitalização que o governo está propondo. As experiências que se tem no mundo sobre esse regime são perversas. O modelo do Chile, por exemplo, resultou no suicídio dos mais velhos e no fim do sistema de Previdência Social.

Se o Brasil aprovar esse modelo (capitalização), o país deixa de ter uma Previdência Social. Mas quem puder pagar vai ter. No que temos ouvido falar será um regime que isenta o empregador e é pago só pelo empregado. Quem só tem a ganhar com isso é o sistema financeiro.

Os grandes devedores serão cobrados?

É balela, mentira o que Paulo Gudes [ministro da Economia], Bolsonaro e aliados estão espalhando, que essa é uma reforma para combater privilégios. Não é, a não ser que eles achem que um miserável, que dificilmente terá expectativa de vida aos 60 anos, seja ratado nesse país como privilegiado. Porque esse sim vai ser atingido e terá a elevação de sua idade para receber um salário mínimo a 70 anos, o que 98% dos que estão nessa condição de vida não chegarão a essa idade.

Na proposta que o Bolsonaro encaminhou pra cá a aposentadoria especial generosa dos parlamentares só será extinta na próxima legislatura, enquanto o BPC será mexido agora.

Então não é verdade que essa proposta que está vindo pra cá é para acabar com privilégios. O privilégio que ele fala é do trabalhador paupérrimo que mal chega aos 65 anos e vai perder o salário mínimo. O dos políticos, do sistema financeiro, dos grandes devedores ninguém está mexendo.

Desonerações de empresas…

Nós tivemos nos últimos 10 anos R$ 400 bilhões de desonerações para médias e grandes empresas. Só para citar uma ridícula, o ex-governador Sérgio Cabral (MDB-RJ) desonerou joalherias, por motivos óbvios que nós sabemos. [Cabral lavava dinheiro comprando jovens para a esposa]

Então, o governo poderia começar um estudo de reoneração desses setores para aumentar a arrecadação do governo central, estimo que daria por volta de 200 a 300 bilhões. Isso já é 30% da cobertura do déficit que o Guedes quer.

A proposta de Bolsonaro tem chance de ser aprovada?

Em relação aos mais pobres e trabalhadores rurais essa proposta é mais cruel e pior do que a do Temer. Se a do Temer teve dificuldades eu não vejo como essa ser aprovada. E digo mais, a base social do bolsonarismo, como militares e servidores públicos, se tivessem tido consciência disso lá na campanha certamente não votariam nele.

Maia defende uma tramitação conjunta com o texto dos militares.

Como é que você vai fazer algo pela metade e não inteiro? Pra tramitar alguma coisa tem que ter uma proposta conjunta do governo. Sem o texto dos militares acho difícil avançar qualquer debate pela metade.

Alcolumbre quer ganhar tempo e antecipar o debate sobre a Previdência.

Nós da oposição não abriremos mão de um milímetro da tramitação aqui. Qualquer Proposta de Emenda à Constituição (PEC) tem um trâmite: ela começa na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), tem que ser votada no plenário em dois turnos e tem que ter um intervalo de cinco sessões para ser votada. Nada menos que isso nós abrimos mão.

Portanto, o rito não será abreviado aqui. Abreviar rito é ofender o Regimento Interno do Senado, a Constituição. É o Regimento que diz como se relaciona com o presidente da instituição, o governo e a oposição. Portanto, a oposição não aceitará nenhum ruptura do procedimento.

Quais problemas o sr. vê no Governo?

Os filhos do presidente e ministros são muito talentos para levar problemas para o Governo. Inclusive celebrei a escolha da deputada Joice Hasselman (PSL-SP) para líder do Governo no Congresso. Eu como líder da Oposição fico muito satisfeito com a escolha dela. É paradoxal uma oposição que se dispõe a dialogar com líderes da base do governo que não querem o diálogo. [o senador foi irônico].

Como o sr. avalia esses dois meses de governo Bolsonaro?

O governo se perdeu em trapalhadas, ministro é demitido pelo filho do presidente, idas e vindas de declaração de ministro da Educação, o das Relações Exteriores, um aloprado, expondo comercialmente o Brasil na seara externa. O país está hoje mais enfraquecido comercialmente no exterior porque Ernesto Araújo inaugurou sua gestão fazendo declarações ofensivas à China, um dos nossos principais exportadores de commodities.

A concepção ideológica para reconhecer Jerusalém com capital desagradou os árabes, outro grande exportador nossa proteína animal. Então é um governo que começa muito atrapalhado, um presidente enfraquecido. Alguém que deixa seu filho demitir um ministro é um presidente que gerencia um governo desmoralizado.

Deixa um vácuo, inclusive para que o vice-presidente [Hamilton Mourão] exerça mais poder do que ele próprio. Ou seja, o Mourão está se colocando. E na política não existe espaço vazio, então como o presidente não está exercendo autoridade, esse espaço está sendo ocupado com competência pelo vice.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum