Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de julho de 2019, 17h22

Bolsonaro diz que é católico, mas discorda do Papa Francisco em relação a Lula

"Sabemos que os religiosos, os cristãos, sempre vão para o perdão. Da minha parte, espiritualmente, admiro o Papa Francisco e, nessa questão pessoal, como ser humano, não compartilho com as ideias dele sobre Lula", disse Bolsonaro

Papa Francisco, com camiseta Lula Livre, e Bolsonaro (Montagem)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL), em entrevista divulgada pelo jornal argentino Clarín neste domingo (14), afirmou que discorda do Papa Francisco sobre a prisão do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O pontífice pediu ao ex-presidente, através de uma carta enviada em maio deste ano, que não desanimasse, nem deixasse de acreditar em Deus.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Sou católico e respeito o Papa […] Creio que é uma opinião pessoal do Papa em relação a Lula. Sabemos que os religiosos, os cristãos, sempre vão para o perdão. Eu reconheço isso no coração do Papa. Da minha parte, espiritualmente, admiro o Papa Francisco e, nessa questão pessoal, como ser humano, não compartilho com as ideias dele sobre Lula, que causou um grande mal ao Brasil”, respondeu Bolsonaro.

Questionado pelo Clarín se o ex-juiz e atual ministro de Justiça, Sergio Moro, teria sido imparcial no processo contra Lula, Bolsonaro defendeu, mais uma vez, um de seus pupilos. Ele disse ter acompanhado o trabalho do ex-magistrado e destacou a conduta “imparcial” do aliado, citando devoluções de valores desviados em atividades ilegais realizadas por políticos e servidores públicos.

“Então, na Argentina, ao meu entender, os juízes vão fazer o mesmo e espero que façam o mesmo em relação a Cristina Kirchner, condenando ou absolvendo, mas que se faça justiça”, comparou Bolsonaro.

Sobre as críticas a respeito da possível nomeação de seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos, ele resolveu colocar o presidente argentino, Mauricio Macri, no meio da conversa para ver se a sua ideia era aceita.

“Meu filho é amigo dos filhos de Trump, fala inglês, espanhol, é ainda jovem, essa possibilidade foi levantada e eu mencionei a possibilidade. Imagine que Macri tenha um filho embaixador aqui no Brasil. Com todo respeito aos diplomatas do mundo inteiro: com toda certeza, a minha relação com o filho de Macri seria diferente do de outro embaixador profissional”, destacou.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum