Fórumcast #20
25 de setembro de 2018, 17h57

Bolsonaro diz que nunca pregou ódio e Jean Wyllys ironiza: “Nunca cuspi em fascista”

O candidato do PSOL cuspiu no rosto de Bolsonaro em 2016 após ele fazer homenagem a um torturador em plena Câmara dos Deputados

Reprodução/YouTube

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) reagiu com ironia à declaração do candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) sobre pregar ódio.

Em entrevista ao jornalista Augusto Nunes, da Jovem Pan, nesta segunda-feira (24), o capitão da reserva disparou: “Nunca preguei o ódio”.

“Dizem que Bolsonaro agride gays, negros, mulheres. Me aponte um áudio, uma imagem minha agredindo alguém”, completou.

O deputado do PSOL, então, ironizou. “Nunca cuspi em fascista”, escreveu, remetendo ao episódio em que cuspiu na direção de Bolsonaro durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff em abril de 2016. Na ocasião, ao proferir seu voto, o candidato do PSL fez uma homenagem a Carlos Alberto Brilhante Ustra, diretor do DOI-Codi à época da ditadura militar e reconhecido pela Comissão Nacional da Verdade como torturador. Wyllys alega que foi provocado por Bolsonaro antes de dar a cusparada e que não se arrepende do gesto.

“Nunca preguei o ódio”

Veja também:  Padre nega emprego a faxineira e põe culpa em cachorro: "Não gosta de negros"

Em meio a intensa mobilização online contra Bolsonaro, inúmeros vídeos e declarações preconceituosas ou agressivas do candidato voltaram à tona, como quando ele afirmou que a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) não “merecia ser estuprada” por ser “feia” ou quando disse que “ter filho gay é falta de porrada”.

Nesta semana, um vídeo que compila declarações preconceituosas de Bolsonaro com relação aos nordestinos viralizou nas redes.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum