Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de agosto de 2018, 21h31

Bolsonaro e Mourão: chapa reúne admiradores de Ustra, ícone da repressão da ditadura

Convidado a compor a chapa do candidato do PSL à presidência da República, o general já chamou de "herói" o coronel Carlos Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-CODI, acusado de inúmeros crimes na Comissão da Verdade

Mourão e Bolsonaro (Foto: Divulgação)

Neste domingo (5), Jair Bolsonaro (PSL) convidou o general do Exército Antonio Hamilton Mourão para compor sua chapa à presidência. Ambos os militares são grandes admiradores do coronel Carlos Brilhante Ustra (1932-2015), ex-chefe do DOI-CODI do II Exército, um dos órgãos atuantes na repressão política, durante o período da ditadura militar no Brasil.

Bolsonaro, no programa da Roda Viva, da TV Cultura, chegou a citar o livro A verdade sufocada – a história que a esquerda não quer que o Brasil conheça, escrito por Ustra, como o seu livro de cabeceira. Em 17 de abril 2016, o deputado federal homenageou o coronel Ustra em seu voto a favor do golpe da presidenta Dilma Rousseff.

“Eu fui espancada por ele [Coronel Ustra] ainda no pátio do Doi-Codi. Ele me deu um safanão com as costas da mão, me jogando no chão, e gritando ‘sua terrorista’. E gritou de uma forma a chamar todos os demais agentes, também torturadores, a me agarrarem e me arrastarem para uma sala de tortura.” Assim descreveu Amelinha Teles, ex-militante do PcdoB, seu encontro com Ustra.

“Tiraram a minha roupa e me obrigaram a subir em duas latas. Conectaram fios ao meu corpo e me jogaram água com sal. Enquanto me dava choques, Ustra me batia com um cipó e gritava me pedindo informações”, relembrou Gilberto Natalini, hoje médico, na época, com 19 anos.

Em 2012, ele foi condenado pela Justiça de São Paulo a pagar uma indenização de R$ 100 mil à família do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, morto sob tortura em 19 de julho de 1971 nas dependências do DOI-Codi.

Em seu discurso de despedida do Exército, general Mourão chamou de “herói” o coronel Ustra. Indagado por que, ele respondeu: “combateu o terrorismo e a guerrilha, por isso ele é um herói”.

Com Mourão, a candidatura de Bolsonaro reforça cada vez mais a que veio, para negar qualquer avanço democrático.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum