Bolsonaro diz que baixou imposto do skate e ironiza quem critica preço do arroz e feijão

Presidente ainda se referiu à Rayssa Leal, medalha de prata em Tóquio no skate, como “uma menina”

O presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) resolveu pegar carona na medalha de prata nas Olimpíadas Tóquio da skatista Rayssa Leal. Ele lembrou, na noite desta segunda-feira (26), que baixou o imposto para a importação de skate.

O presidente ainda ironizou para apoiadores ao chegar no Palácio do Alvorada quem o criticou na época por ter baixado a taxação de equipamentos esportivos e não de alimentos, como arroz e feijão.

“Teve uma menina agora que teve medalha de prata no skate, né? Em 1º de junho, se não me engano, eu zerei, zerei não, eu passei de 20% para 2% o imposto de importação do skate. Ela não ganhou por causa disso. Mas eu passei para 2% exatamente para estimular a garotada a usar o skate. É esporte”, disse Bolsonaro

“Apanhei também. [Disseram que eu] deveria ter baixado o imposto do feijão, do arroz e não do skate. O tempo todo [me atacam]”, completou em tom de ironia.

Pouco depois de se dirigir à Rayssa como “menina”, sem citar o seu nome, o presidente usou suas redes sociais para parabenizar oficialmente a atleta do skate street feminino. E novamente mencionou sua decisão de baixar o imposto para importação dos skates.

“Por ter sido incluído nas Olimpíadas reduzi, em 20 de abril último, o imposto de importação dos skates de 20% para 2%. Parabenizo a jovem Rayssa Leal pela medalha de prata, orgulho para todos nós brasileiros”, escreveu o presidente.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR