Bolsonaro promove “tragédia humanitária, social e econômica” no Brasil, denunciam entidades na ONU

"A situação do país é desesperadora", diz representante de associação. Itamaraty tem rejeitado qualquer tipo de responsabilização

O governo de Jair Bolsonaro se tornou alvo de novos ataques no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Desta vez, críticas partem da Comissão Arns em coordenação com a entidade Conectas Direitos Humanos. As entidades discursam nesta segunda-feira (15).

Entre os temas a serem debatidos na organização, estão o colapso no sistema de saúde e crise econômica em meio à pandemia, assim como o deboche do presidente sobre a dor das famílias das vítimas da Covid-19. As informações são da coluna de Jamil Chade, no UOL.

“A situação do Brasil é desesperadora”, disse a representante da Comissão Arns, Maria Hermínia Tavares de Almeida, professora titular aposentada de Ciência Política na Universidade de São Paulo (USP), em entrevista à coluna.

“Ele desdenha das recomendações dos cientistas; ele tem, repetidamente, semeado descrédito em todas as medidas de proteção – como o uso de máscaras e distanciamento social; promoveu o uso de drogas ineficazes; paralisou a capacidade de coordenação da autoridade federal de Saúde; descartou a importância das vacinas; riu dos temores e lágrimas das famílias e disse aos brasileiros para parar ‘de frescura e mimimi'”, relata.

“É por isso que estamos aqui, hoje, para chamar a atenção deste Conselho e apontar a responsabilidade do Presidente Bolsonaro em promover, por palavras e atos, uma devastadora tragédia humanitária, social e econômica no Brasil”, completa Maria Hermínia.

Ainda segundo a coluna de Jamil Chade, a estratégia do Itamaraty perante as críticas é de apresentar as ações do governo, rejeitar a responsabilização pela crise e omitir iniciativas tomadas por governadores, como no caso da vacina.

No pior momento da pandemia do coronavírus no Brasil, o país registrou 1.111 vítimas fatais pela Covid-19 nas últimas 24 horas e totalizou, neste domingo (14), 278.327 óbitos. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos sete dias chegou a 1.832, mais um recorde.

Até agora, são 53 dias consecutivos com a média móvel de óbitos acima da marca de 1 mil; 17 dias acima de 1,1 mil; e pelo 15º dia a marca aparece acima de 1,2 mil. Foram 16 recordes seguidos de 27 de fevereiro até agora.

Publicidade
Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR