Bolsonaro questiona irritação de apoiadores com nota de recuo: “Nada demais”

Durante a transmissão, o presidente confirmou que Temer "colaborou" com a nota

O presidente Jair Bolsonaro reagiu na noite desta quinta-feira (9) às críticas feitas por seus apoiadores diante do recuo nos ataques feitos ao Supremo Tribunal Federal (STF). O chefe do Executivo minimizou as reclamações e comparou com o que aconteceu diante da saída do ex-juiz Sérgio Moro do Ministério da Justiça.

“Eu quero fazer a coisa certa. No Moro, muita gente bateu em mim. De novo, agora estão batendo por causa da nota. Não vejo nada demais na nota. Nota precisa, objetiva”, declarou durante live presidencial.

Bolsonaro confirmou que o ex-presidente Michel Temer ajudou na nota. O chefe do Executivo disse ainda que começou a redação na quarta-feira e que Temer “colaborou com algumas coisas na nota”.

“Nunca briguei com instituição nenhuma, briguei pontualmente com algumas pessoas. Reiterei meu respeito às instituições. Você pode brigar com ministro do Supremo, senador, mas não com o Senado, com o Supremo. Tenho certeza que bons frutos apareceram nos próximos dias, dá um tempo. Alguns estão descendo a lenha, é natural, paciência”, declarou Bolsonaro, defendendo a nota.

Os apoiadores demonstraram insatisfação através do chat do YouTube. Os comentários que mais dominaram a transmissão foram “arregou”, “amarelou” e “perdeu meu voto”. Ainda que alguns mais fiéis tentassem ponderar, a maioria das mensagens eram críticas ao presidente.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR