Governo Bolsonaro pagou R$75 mi a transportadoras suspeitas de garimpo ilegal

Operação da Anac apreendeu 66 helicópteros no fim do mês passado

Levantamento realizado pela Folha de S. Paulo neste domingo (19) mostra que o Governo Federal pagou R$ 124 milhões a empresas de Táxi Aéreo suspeitas de envolvimento com o garimpo ilegal nos últimos 7 anos. Mais da metade desse valor foi desembolsado apenas nos dois anos de governo Jair Bolsonaro.

Segundo informações do jornalista Vinicius Sassine, da Folha, uma operação da Agencia Nacional de Aviação Civil (Anac) em conjunto com a Polícia Federal, Ibama e coordenada pelo Ministério da Justiça apreendeu 66 aeronaves que são suspeitas de atuar em mineração ilegal em terra yanomâmi. A interdição aconteceu no dia 26 de agosto.

Documentos revelados pela reportagem mostram um possível “jogo duplo” de empresas de transporte aéreo que atuam na região. A operação aconteceu na sede da Cataratas Poços Artesianos, relacionada à Icaraí Turismo Táxi Aéreo. A Tarp Táxi Aéreo operava parte dos helicópteros e havia um sócio da Emar Táxi Aéreo no local.

As quatro empresas, segundo a Folha, receberam R$ 124 milhões desde 2014. A partir de 2016 a destinação de recursos a elas aumentou e, no governo Bolsonaro, se intensificou ainda mais. R$ 75 milhões ás empresas suspeitas de envolvimento com garimpo ilegal foram repassados nos anos de Bolsonaro.

Quase todos os pagamentos envolvem a Secretaria Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde.

Confira a reportagem na Folha de S. Paulo

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR