Bolsonaro reorganiza Abin e cria novo órgão que lembra antigo aparato de inteligência da ditadura

Novo decreto altera a organização da Agência Brasileira de Inteligência e gera uma nova entidade: o Centro de Inteligência Nacional, nome similar ao do antigo Serviço Nacional de Informações (SNI), criado pela ditadura em junho de 1964

Na última sexta-feira (31), o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que significaram uma importante reorganização das estruturas de inteligência do país. As mais importantes são a reorganização da Abin (Agência Brasileira e Inteligência) e a criação de um novo órgão: o Centro de Inteligência Nacional.

Segundo comunicado difundido na sexta-feira pelo governo, o Centro de Inteligência Nacional terá a missão de “planejar e executar ações de inteligência voltadas ao enfrentamento de ameaças à segurança e à estabilidade do Estado e da sociedade”.

No nome, na possível sigla (CIN) e em sua missão, a nova entidade se assemelha muito ao antigo SNI (Serviço Nacional de Informações), criado em junho de 1964 pela ditadura e que se manteve ativo até março de 1990.

A tarefa da nova Abin, que será reformada internamente, e também do novo órgão, foi planteada por Bolsonaro durante a famosa reunião ministerial de 22 de abril, quando o presidente disse que, se fosse preciso, iria “interferir em todos os ministérios”, e que precisava de relatórios periódicos da PF (Polícia Federal), das Forças Armadas e da Abin.

Bolsonaro disse, naquela reunião, que não queria “ser surpreendido com notícias”. Também afirmou acreditar que a “identificação de ameaças decorrentes de atividades criminosas e a ação para evitá-las depende da produção de inteligência corrente e a coleta estruturada de dados”.

Na ocasião, o presidente disse ainda que não poderia ser “surpreendido com notícias” e que o seu “sistema particular de informação” funcionava melhor que os canais oficiais.

Outra entidade que sofrerá mudanças é a Escola de Inteligência, que passará a cuidar da “capacitação em inteligência e em competências transversais e complementares” tanto para “agentes públicos em exercício na Abin”, como para “os indicados pelo Sistema Brasileiro de Inteligência ou por entidades ou órgãos parceiros da Abin”. O texto indica que o treinamento poderá ser oferecido a funcionários não-concursados.

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR