Fórumcast, o podcast da Fórum
03 de abril de 2019, 06h00

Bolsonaro retira projeto que criaria 2 novas universidades federais no AM

Deputado aponta retrocesso e falta de diálogo; proposta também contemplava novos institutos de educação em SP e na BA

Deputado José Ricardo: governo Bolsonaro não tem interesse em fortalecer o ensino superior - Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Sem apresentar justificativas, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) retirou do Congresso a proposta de criação de duas novas universidades – ambas no estado do Amazonas – e de três institutos federais de educação – dois em São Paulo e um na Bahia.

O Projeto de Lei, que trazia ainda outras alterações na rede de educação do governo, foi assinado pelo então presidente Michel Temer (MDB), no fim de dezembro do ano passado.

A tramitação na Câmara começou em janeiro e a realização de audiência pública para discutir o assunto já havia sido aprovada pela Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e Integração da Amazônia (Cindra), por iniciativa do deputado federal José Ricardo (PT-MA) – que classifica como “retrocesso” a medida de Bolsonaro.

“O governo atual não tem interesse em fortalecer o ensino superior. Vi isso na audiência com ministro da Educação [Ricardo Vélez Rodríguez]. Indaguei a ele, que, secamente, falou que não é prioridade e não tem recursos”, conta o parlamentar.

José Ricardo diz ainda que, se Bolsonaro não rever a PEC do Teto, que congelou os investimentos federais, limitando os gatos à variação da inflação, não haverá avanços no setor nas próximas duas décadas.

Estratégico

As duas novas universidades previstas pelo projeto estariam no interior do Amazonas: a Universidade Federal do Médio e Baixo Amazonas (Ufembam) e a Universidade Federal do Médio e Alto Solimões (Ufemas).

A segunda teria sede em Coari (AM) e, segundo o deputado José Ricardo, desempenharia papel estratégico para o desenvolvimento da região e até no âmbito da soberania nacional, por estar em área de fronteira com países, como a Colômbia e o Peru.

“Tem o narcotráfico atuando muito forte na região e, às vezes, até se utilizando de mão de obra indígena. Uma universidade cria perspectivas novas, atrai empreendimentos, força a barra para ter investimentos em logística, comunicações, internet”, elenca.

O parlamentar, que pedia a criação das universidades já em seu mandato como deputado estadual, reconhece que o projeto de Temer retirado por Bolsonaro implicava em outras discussões políticas, como a redução da estrutura da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), mas acredita que os devidos ajustes poderiam ser promovidos durante a tramitação do projeto no Congresso.

“[A UFAM] tem presença no interior, porque expandiu muito no governo Lula. Mas não é fácil vencer as distâncias e o custo amazônico (…) Se não fossem aprovadas duas novas universidades, ao menos uma já seria um passo importante, mas, agora, estamos sem nada (…) A retirada foi feita sem diálogo com ninguém”, pontua.

Novos institutos e as metas do PNE

Ainda sob o governo Temer, o Ministério da Educação (MEC) justificou a iniciativa pela necessidade de suprir a carência de cursos superiores no Amazonas – o maior estado do País em federal.

Já a criação de novos institutos da Rede Federal de Educação, Científica e Tecnológica em São José do Rio Preto (SP), Campinas (SP) e Ilhéus (BA) contribuiriam com o cumprimento de metas do Plano Nacional de Educação (PNE), que prevê 430 mil novas matrículas a cada ano até 2024.

 

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum