Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de março de 2019, 14h33

Bolsonaro tenta amenizar ordem para comemorar golpe de 64 e fala em “rememorar”

Sob pressão, Bolsonaro recua e diverge de seu porta-voz, dizendo que orientou que o 31 de março fosse apenas "rememorado" por militares

Reprodução/TV Record

Reportagem de Carla Araújo e Fabio Murakawa, no Valor Econômico nesta quinta-feira (28), mostra que após as reações negativas à determinação do governo para que as Forças Armadas retomassem as comemorações na data que marca o golpe militar de 31 de março de 1964, o presidente Jair Bolsonaro (PSL baixou o tom sobre a decisão, ao dizer que a ocasião deve ser apenas rememorada.

“Não foi comemorar, foi rememorar, rever o que está errado, o que está certo e usar isso para o bem do Brasil no futuro”, disse, após participar de evento no Clube do Exército em Brasília (DF).

Na prática, trata-se de mais um recuo de Bolsonaro, pois, no início da semana, o termo “comemoração devidas” pelo o porta-voz oficial da Presidência, general Otávio do Rêgo Barros.

A mudança de tom se dá após a Justiça Federal de Brasília ter intimado o presidente da República a se manifestar sobre a celebração do golpe, em ação que tentar barrar as comemorações por 31 de março nos quartéis.

O Ministério Público e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também repudiaram a determinação de Bolsonaro.

As comemorações do golpe – que integrantes das Forças Armadas insistem em chamar de revolução – haviam sido suspensas pelos militares brasileiros a pedido da então presidente Dilma Rousseff (PT), presa e torturada pelo regime autoritário que perseguiu e até matou opositores, e perdurou até 1985.

Bolsonaro, por sua vez, classificou como “história” a Ordem do Dia escrita pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo. O texto que será lido nos quartéis neste 31 de março diz que “a Marinha, o Exército e a Aeronáutica reconhecem o papel desempenhado por aqueles que, ao se depararem com os desafios próprios da época, agiram conforme os anseios da Nação Brasileira (…) Mais que isso, reafirmam o compromisso com a liberdade e a democracia, pelas quais têm lutado ao longo da História”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum