Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
05 de setembro de 2019, 17h27

Bolsonaro veta 36 pontos da Lei de Abuso de Autoridade e desconfigura projeto

Com os vetos, Bolsonaro praticamente autorizou os abusos de autoridade que a lei pretendia combater, como a prisão sem flagrante ou mandado judicial ou ainda a abertura de investigação sem justa causa

Reprodução/Facebook

Em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), o presidente Jair Bolsonaro publicou a sanção da Lei de Abuso de Autoridade, aprovada recentemente no Congresso Nacional, com 36 vetos aos dispositivos do texto.

O projeto original elencava uma série de situações que denotariam crimes de abuso de autoridade praticados pro juízes, procuradores e policiais – a maioria são práticas típicas da operação Lava Jato. Com os vetos, porém, Bolsonaro desconfigurou o texto original e praticamente autorizou condutas abusivas que a lei, ao ser criada, procurava combater.

“Queremos combater o abuso de autoridade, mas não podemos aplicar um remédio excessivamente forte que vá matar o paciente”, disse o presidente, mais cedo, antes da sanção com os vetos serem publicados.

Leia também
Pesquisa aponta que maioria é favorável à Lei de Abuso de Autoridade

Um dos pontos importantes do projeto e que foi vetado por Bolsonaro é aquele que pune o juiz que mandar prender “em manifesta desconformidade com a lei” ou ainda que deixar de soltar ou substituir a pena prisão por medida cautelar quando a lei permitir. Em outras palavras, o presidente está autorizando prender pessoas ao arrepio da lei e mantê-las presas também de maneira ilegal.

Outro ponto vetado pelo chefe do Executivo é o que pune quem prender ou realizar busca e apreensão sem flagrante ou sem mandato judicial. Ou seja, vale tudo para prender.

Entre outros dispositivos vetados, estão os que puniriam policiais e juízes que constrangessem presos ou detentos usando de violência ou ameaça e ainda que criminalizariam a conduta de permanecer interrogando no caso de o detido decidir, em acordo com seus direitos, permanecer calado. Até mesmo a punição para quem impedir um preso de ter contato com seu advogado foi derrubada.

O texto original da lei previa ainda, entre outros pontos, que aquele que identificasse um erro no processo judicial e não corrigisse, seria punido. Com o veto de Bolsonaro, quem não corrigir os erros, mesmo identificados, sairá ileso. O presidente vetou também o ponto que pune o agente da lei que atribuir culpa a alguém em plataformas de mídia, como as redes sociais, sem que as apurações tenha sido finalizadas e sem que a acusação tenha sido formalizada.

Os vetos de Bolsonaro, porém, ainda passarão por uma avaliação do Congresso. Os deputados e senadores podem, ou não, derrubá-los.

Confira, aqui, todos os vetos à Lei de Abuso de Autoridade.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum