sábado, 24 out 2020
Publicidade

A ruralistas, Bolsonaro diz que Brasil tem “alguns focos de incêndio” e muita área para “índios e quilombolas”

Sob aplausos, Bolsonaro diz que é "inadmissível o país ter a quantidade que tinha de terras demarcadas para índios e quilombolas" e diz que incêndio que consome Pantanal são "alguns focos de incêndio"

Em discurso durante homenagem recebida de ruralistas em Sinop, no Mato Grosso, Jair Bolsonaro minimizou o incêndio que já destruiu uma área de cerca de 2,3 milhões de hectares – 15% da região – do Pantanal e estão destruindo boa parte da Amazônia e afirmou que é “inadmissível” o número de terras demarcadas no Brasil para indígenas e quilombolas.

Bolsonaro, que estava no avião presidencial que arremeteu por causa da falta de visibilidade em razão da fumaça ao pousar em Sinop, disse que o país tem apenas “alguns focos de incêndio”. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, só no Pantanal são 15,756 focos, o maior número desde 1998, quando o órgão começou a monitorar a região.

“Nós estamos vendo alguns focos de incêndio acontecendo pelo Brasil. Isso acontece ao longo de anos. E temos sofrido uma crítica muito grande. Porque obviamente quanto mais nos atacarem, melhor interessam para nossos concorrentes aquilo que temos de melhor que é o nosso agronegócio. Países outros que nos criticam não têm problema com queimada, pois já queimaram tudo em seus países. Nós aqui temos a matriz mais limpa energética do mundo. Nós proporcionalmente ocupamos a menor área para a pecuária que outro país do mundo. Nós somos um exemplo para o mundo”, disse Bolsonaro.

O presidente, então, falou que gravou seu discurso para a reunião do conselho-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), quando afirmou que os índigenas têm direito à terra “dentro de uma razoabilidade”.

“Eu gravei há dois dias o discurso que faria na ONU de forma presencial no ano que vem. No ano passado falamos do agronegócio, falamos da potencialidade do nosso país. E falamos também que era inadmissível o país ter a quantidade que tinha de terras demarcadas para índios e quilombolas. Os índios são nossos irmãos, são nossos parceiros, eles merecem a sua terra, mas dentro de uma razoabilidade. A ONU queria que passássemos de 14% o território demarcado para 20%. Falei-lhes: não”, disse Bolsonaro, sob aplausos dos ruralistas.

Assista abaixo a partir de 21 minutos

Plinio Teodoro
Plinio Teodoro
Plínio Teodoro Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.