Fórumcast, o podcast da Fórum
21 de agosto de 2019, 13h05

Afastado do cargo, Santos Cruz se posiciona: “Interferência de extremistas atrapalha o governo”

O general da reserva perdeu seu cargo na Secretaria do Governo em junho, depois de sofrer críticas da ala mais extrema do governo, como Carlos Bolsonaro e o "guru" Olavo de Carvalho

General Carlos Alberto Santos Cruz - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Depois de perder seu cargo na Secretaria de Governo por críticas da ala bolsonarista mais extrema, como Carlos Bolsonaro e o “guru” Olavo de Carvalho, o general da reserva, Carlos Alberto dos Santos Cruz, alertou para o impacto negativo da interferência de “extremistas”  e que isso atrapalha o “andamento prático” do governo. A entrevista foi publicada nesta quarta-feira (21), pelo UOL.

“No andamento prático, há muita interferência, que precisa ser administrada pelo governo. Por exemplo, na parte ideológica, às vezes, há extremistas que acabam atrapalhando ao invés de ajudar”, disse o general.

O Facebook silenciou a Fórum. Censura? Clique aqui e nos ajude a lutar contra isso

Ao ser questionado sobre qual seria o “projeto de país de Bolsonaro”, Santos Cruz respondeu destacando o combate à corrupção e a luta contra a “mentalidade ideológica socialista” e, para isso, justifica a necessidade de um trabalho “muito equilibrado”. “A sociedade brasileira, na sua essência, não é ideológica, e quer é resultados”, opinou.

“Conotação socialista”

“Antes mesmo dos presidente Lula e Dilma, havia uma conotação socialista, demagógica, com ideias que não fazem parte da sociedade brasileira, e houve nesses últimos anos dois problemas, a corrupção e a divisão da nossa sociedade”, comentou. “Empresário contra empregado, preto contra branco, contra homossexual, ricos contra pobres, divisões que não são boas. É preciso combater a corrupção e pacificar a sociedade para acabar com essa ideia de confronto”, completou.

Santos Cruz também alegou que o fato de a família de Bolsonaro fazer parte da política não quer dizer que isso anule a individualidade de cada político. Ele acredita que o presidente e seus três filhos foram eleitos para exercer funções específicas, “e não como uma família presidencial”.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum