Após nota com Forças Armadas, Braga Netto mandou recado a Lira: Voto impresso ou não teremos eleição

O recado de Braga Netto foi levado por um interlocutor no mesmo dia em que Bolsonaro repetiu a ameaça a apoiadores: "Ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não temos eleições”

Cerca de 24 horas depois de assinar uma nota com ameaças golpistas junto aos comandantes das Forças Armadas, o ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, mandou um duro recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), reforçando a conspiração de Jair Bolsonaro (sem partido) de que não haverá eleições em 2022 caso o Congresso não aprove o voto impresso.

Segundo reportagem de Andreza Matais e Vera Rosa, na edição desta quinta-feira (22) do jornal O Estado de S.Paulo, por meio de um interlocutor, Braga Netto “pediu para comunicar, a quem interessasse, que não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso e auditável”.

A ameaça foi repetida por Bolsonaro no mesmo dia 8 de julho em conversa com apoiadores: “Ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não temos eleições”, disse o presidente, sinalizando o conluio em torno do discurso no Planalto.

De acordo com a reportagem, após receber o “recado”, Lira pediu uma audiência com Bolsonaro, que repetiu o chavão que joga “dentro das 4 linhas da Constituição”.

O presidente da Câmara então teria relatado o fato a um grupo seleto, dizendo-se preocupado pois a situação é “gravíssima”, ainda mais diante da possibilidade da rejeição do projeto sobre o voto impresso, que tramita em uma comissão especial na Câmara.

Na conversa com Bolsonaro, Lira teria repetido que está com o presidente até o fim, mesmo que o grupo seja derrotado nas eleições de 2022, mas que não admitiria golpe.

Ainda segundo as jornalistas, o tema é do conhecimento de juristas e de um grupo de políticos em Brasília.

Um ministro do STF teria dito ao jornal, em condição de anonimato, que a ameaça de Braga Netto repete a estratégia do general Eduardo Villas-Bôas em 2018, quando a corte julgou o pedido de Habeas Corpus que poderia libertar o ex-presidente Lula, à época preso pela Lava Jato na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Com o recado e a nota com as Forças Armadas, Braga Netto estaria tentando intimidar o Congresso Nacional diante dos avanços das investigações sobre militares pela CPI do Genocídio, no Senado.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR