terça-feira, 22 set 2020
Publicidade

Após pressão das Forças Armadas, ministro Luiz Ramos passa para a reserva remunerada do Exército

Após pressão vinda da cúpula das Forças Armadas, o ministro-chefe da secretaria-geral de governo, general Luiz Eduardo Ramos passou para a reserva remunerada. A transferência, assinada por Jair Bolsonaro e pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, foi publicada na edição desta quinta-feira (16) do Diário Oficial da União (DOU).

Nas Forças Armadas, a permanência de militares da ativa no governo tem causado incômodo por estabelecer uma relação direta entre a instituição e Bolsonaro.

Agora, a cúpula militar aguarda decisão sobre o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, que vem sendo pressionado a passar para a reserva, caso continue à frente da pasta.

No entanto, o ministro, que entrou como interino há quase dois meses, está sob pressão para deixar o ministério diante do fracasso no combate ao coronavírus, que já matou mais de 75 mil brasileiros desde o início da pandemia.

A Casa Civil e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) também são comandados por generais, mas já da reserva, Walter Braga Netto e Augusto Heleno, respectivamente. A Secretaria-Geral é comandada por Jorge de Oliveira, major da Polícia Militar.

Plinio Teodoro
Plinio Teodoro
Plínio Teodoro Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.