Barroso responde a Bolsonaro sobre “perdão” a Dirceu; Jefferson também foi beneficiado

Presidente do TSE, Barroso afirmou que "quem concede indulto é o presidente da República" e lembrou que o STF concedeu perdão a seis condenados do "mensalão", incluindo a Roberto Jefferson, atual aliado de Bolsonaro

A “luta direta” entre Jair Bolsonaro (Sem partido) e o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, foi às redes mais uma vez na manhã desta quinta-feira (5).

Leia também: Eduardo Bolsonaro coleta assinaturas para “CPI do TSE”

Desesperado diante do acolhimento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) do pedido feito por Barroso para incluir a live sobre fraude nas eleições no inquérito das fake news, Bolsonaro foi ao Twitter fazer mais uma ilação ligando Barroso ao ex-ministro José Dirceu.

Na publicação, o presidente divulgou o print de uma reportagem de 2016 em que Barroso concedeu perdão da pena a Dirceu. “João 8:32. Bom dia a todos”, escreveu, repetindo o versículo bíblico que diz: “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” – veja abaixo.

Barroso, então, foi à rede para “um esclarecimento: quem concede indulto é o presidente da República”.

“O Judiciário apenas aplica o decreto presidencial. Nas execuções penais do mensalão, deferi o benefício a todos que se adequaram aos requisitos”, disse o ministro sobre a decisão, de outubro de 2016. À época, a corte era presidida pela ministra Cármen Lucia.

Sete meses antes, em março de 2016, sob a presidência de Ricardo Lewandowski, o STF concedeu perdão das penas de seis condenados pelo esquema de corrupção do mensalão.

Entre os beneficiados pela decisão estava o presidente do PTB, Roberto Jefferson, um dos principais aliados de Bolsonaro na atualidade.

Publicidade
Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR