Bolsonaro acusa Butantan de superfaturar venda da Coronavac: “Pode ser assustador”; veja vídeo

Bolsonaro diz ter recebido proposta direto da Sinovac vendendo a dose da CoronaVac por metade do valor cobrado pelo Instituto Butantan. "Porque metade do preço agora? Porque a matriz nos vende a vacina a 5 dólares e o Butantan vende a 10 dólares?"

Em entrevista na manhã desta quinta-feira (22), Jair Bolsonaro (Sem partido) acusou o Instituto Butantan de superfaturar a venda da CoronaVac ao governo federal.

Segundo Bolsonaro, a SinoVac, laboratório chinês que fabrica a CoronaVac, teria oferecido ao governo a dose do imunizante a 5 dólares, metade do valor que está sendo cobrado pelo Instituto Butantan.

“Chegou um documento para nós, a empresa que fabrica a CoronaVac oferecendo para a gente a CoronaVac a 5 dólares agora”, afirmou.

Bolsonaro disse ter acionado o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e órgãos de fiscalização como o Tribunal de Contas da União (TCU) para investigar o sobrepreço cobrado pelo instituto brasileiro.

“Porque metade do preço agora? Porque a matriz nos vende a vacina a 5 dólares e o Butantan vende a 10 dólares? Pode ser nada, pode. Mas pode ser algo assustador o que acontece no Butantan”, afirmou, ressaltando que em um “primeiro momento é investigar esse oferecimento da CoronaVac”.

“A documentação que nos traz uma enorme preocupação do que acontece no Butantan”, afirmou.

Na entrevista, Bolsonaro voltou a colocar em dúvida a eficácia da CoronaVac, dizendo que a vacina estaria causando problemas no Chile e no Brasil, sem entrar em detalhes.

Veja a partir de 30 minutos

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR