Bolsonaro convoca jornalistas para live para “provar fraude” no TSE, mas proíbe perguntas

Após receber dossiê, Bolsonaro deve levar na live "especialista" que criou tese de fraude eleitoral em vídeo divulgado por Naomi Yamaguchi, irmã de Nise, nas eleições de 2018

Obcecado com a própria narrativa criada para justificar uma provável derrota em 2022, Jair Bolsonaro (Sem Partido) convocou jornalista para acompanharem a propalada live em que diz que vai comprovar fraude nas eleições de 2014 na noite desta quinta-feira (29).

Vídeo: Bolsonaro pede moeda a repórter para “provar” fraude nas urnas eletrônicas

Porém, o presidente colocou uma ressalva: só entra quem for transmitir ao vivo e não fizer perguntas. A informação foi divulgada pelo jornalista Renato Souza, do Correio Braziliense, pelo Twitter.

“Jair Bolsonaro convoca a imprensa para acompanhar a live de hoje a noite. No entanto, em um ato inédito no governo, só autoriza entrada de veículos que forem transmitir ao vivo e veta qualquer pergunta. Ele alega que vai apresentar provas de fraudes nas eleições”, escreveu o repórter.

Dossiê
Antes da live, Bolsonaro recebeu de sua equipe um dossiê sobre o assunto e conta com o auxílio de “especialistas” defensores da tese, que estariam chegando em Brasília para a live.

Entre os especialistas, estaria um profissional de tecnologia da informação que aparece em vídeo divulgado por Naomi Yamaguchi em 2018, durante sua candidatura à Câmara Federal pelo PSL.

Ela é irmã de Nise Yamaguchi, acusada de fazer parte do gabinete paralelo que municia o presidente com informações negacionistas sobre a Covid-19, como o uso da cloroquina.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR