Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de fevereiro de 2020, 06h56

Bolsonaro é chefe de bando, diz Folha: Pistoleiros digitais, milicianos e parte dos militares compõem o contingente dos sonhos

Em editorial, jornal da família Frias diz que Bolsonaro comete crime de responsabilidade ao insultar quem se contrapõe à sua "aventura autoritária" e sinaliza apoio ao impeachment

Jair Bolsonaro em conversa com a imprensa (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Em mais um duro editorial, a Folha de S.Paulo – que já classificou a ditadura como “ditabranda” – subiu ainda mais o tom contra Jair Bolsonaro após os ataques à jornalista Patrícia Campos Mello, dizendo que o presidente se comporta como “chefe de bando”, com “jagunços” avançando contra a de quem se anteponha à “aventura autoritária”.

“Pistoleiros digitais, milicianos e uma parte dos militares compõem o contingente dos sonhos do presidente para compensar a sua pequenez, satisfazer a sua índole cesarista e desafiar o rochedo do Estado democrático de Direito”, diz o texto.

No texto, a Folha diz, em tom de descoberta, que “há método na ofensiva” e lista como “vítimas” os presidentes da Câmara e do Senado, ministros do Supremo Tribunal Federal, governadores de estado, repórteres e organizações da mídia

“Bolsonaro não tem força no Congresso nem sequer dispõe de um partido. Testemunha a redução de prerrogativas da Presidência, arriscada agora até de perder o pouco que lhe resta de comando orçamentário. Escolhe a tática de tentar minar o sistema de freios e contrapesos. Privilegia militares com verbas, regras e cargos, e o exemplo federal estimula o apetite de policiais nos estados”, diz o texto, sinalizando a estruturação de uma ditadura apoiada por forças armadas.

A Folha diz ainda Bolsonaro “comete crime de responsabilidade”, que pode ser pretexto para o início de um processo de impeachment, tema que entrou na pauta de parlamentares nos corredores do Congresso nesta quarta-feira (19).

“As imunidades para o exercício da política não foram pensadas para que mandatários possam difamar, injuriar e caluniar cidadãos desprovidos de poder, como está ocorrendo. Dignidade, honra e decoro são requisitos legais para a função pública. O presidente que os desrespeita comete crime de responsabilidade”, diz o texto, ressaltando que a Folha “está convicta de que o jogo sujo encontrará a resposta das instituições democráticas. Elas, como o jornalismo, têm vocação de longo prazo. Jair Bolsonaro, não”.

Leia o editorial na íntegra


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum