quarta-feira, 30 set 2020
Publicidade

Bolsonaro reclama do preço do arroz e diz que vai pedir a supermercadistas para quase zerarem lucro

"Ninguém vai usar a caneta Bic para tabelar nada. Mas, estou pedindo para que os lucros sejam próximo de zero", disse Bolsonaro durante homenagem a médicos pioneiros no uso de cloroquina contra o coronavírus

Em reunião com o grupo de profissionais de saúde pró-cloroquina, que se intitulam Médicos pela Vida, Jair Bolsonaro (Sem partido) reclamou da disparada do preço do arroz e disse que vai pedir para os supermercadistas reduzirem o lucro a “próximo de zero” do produto em razão dos ganhos extraordinários que estariam tendo durante a pandemia do coronavírus.

Leia também: Preço do arroz dispara e internautas relatam pagar mais de R$ 40 no pacote

“No começo era aquela história do ‘fica em casa e a economia vê depois’. Imagina, as pessoas em casa. O arroz está caro. E povo com fome é povo que não tem razão”, disse antes de ressaltando que no período os supermercados lucraram porque as pessoas estavam usando o auxílio emergencial para comprar comida.

“Ninguém vai usar a caneta Bic para tabelar nada. Mas, estou pedindo para que os lucros sejam próximo de zero até a nova safra, em dezembro”, disse o presidente, afirmando já ter conversado com entidades do setor.

Ao lado de Osmar Terra, deputado federal e ex-ministro da Cidadania de seu governo, Bolsonaro homenageou os médicos que receitaram cloroquina aos pacientes.

Plinio Teodoro
Plinio Teodoro
Plínio Teodoro Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.