Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
20 de dezembro de 2019, 07h21

Bolsonaro usa a revista Veja para alimentar teoria da conspiração e tirar foco sobre a corrupção no clã

Criada para dar suporte à ditadura militar, Veja alimenta teoria da conspiração sobre facada durante a campanha, coloca Moro como vice na chapa para 2022 e faz elogios a Bolsonaro, lembrando o apelido de "cavalão" e classificando o capitão como portador de boas novas

Bolsonaro na capa da revista Veja (Reprodução)

Em uma antiga tática da velha política, Jair Bolsonaro recorreu à revista Veja para alimentar sua teoria da conspiração – de que Adélio Bispo dos Santos não agiu sozinho no atentado à faca durante a campanha. A entrevista é uma tentativa de tentar tirar o foco do lamaçal que envolve o clã presidencial nas investigações de um esquema de corrupção no gabinete do filho Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), que revela a ligação profunda da família com grupos de milicianos.

Em entrevista a Policarpo Junior, diretor da sucursal de Brasília da Veja – o mesmo que usava as páginas da revista para defender os interesses do bicheiro Carlinhos Cachoeira – Bolsonaro acusa, sem apresentar quaisquer provas, um ex-assessor da campanha de envolvimento no atentado para matá-lo.

“Houve uma conspiração”, disse, ressaltando que o motivo da traição seria vingança por ele não ter escolhido o ex-assessor como candidato a vice.

“O meu sentimento é que esse atentado teve a mão de 70% da esquerda, 20% de quem estava do meu lado e 10% de outros interesses. Tinha uma pessoa do meu lado que queria ser vice. O cara detonava todas as pessoas com quem eu conversava. Liguei para convidar o Mourão às 5 da manhã do dia em que terminava o prazo de inscrição. Se ele não tivesse atendido, o vice seria essa pessoa. Depois disso, eu passei a valer alguns milhões deitado”, disse Bolsonaro.

Na entrevista, feita no domingo, 15 de dezembro, Bolsonaro diz que já sabia que “um novo e barulhento escândalo envolvendo a família estaria prestes a explodir”.

Antes de receber o diretor da Veja, Bolsonaro se reuniu com o advogado Frederick Wassef, que faz a defesa dele e do filho. Segundo a Veja, o advogado teria dito que “a próxima encrenca teria como origem interceptações de ligações telefônicas que supostamente mostrariam o envolvimento dele e dos seus filhos com o crime organizado no Rio de Janeiro — áudios que seriam divulgados por uma rede de televisão”.

“Pegaram dois milicianos, sei lá quem, conversando e a Polícia Civil gravando. Tem vários diálogos falando que no passado eu participava das milícias, pegava dinheiro das milícias, e agora, presidente, não participo mais — um papo de vagabundo”, disse Bolsonaro à revista, acusando novamente o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC) de promover uma armação contra ele tendo em vista a disputa presidencial em 2022.

“O governador botou na cabeça que vai ser presidente e tem de me destruir. Depois da história do porteiro e das buscas na casa da minha ex-mulher, ele está preparando uma nova armação. Já sei que eles pegaram dois milicianos, sei lá quem, conversando e a Polícia Civil gravando. Tem vários diálogos falando que no passado eu participava das milícias, pegava dinheiro, e agora, presidente, não participo mais — papo de vagabundo. Recebo qualquer um dos governadores na hora que eles quiserem. O Witzel não. Se ele quiser falar comigo, vai ter de protocolar o pedido de audiência e dizer antes qual é o assunto”, disse.

“Cavalão”
No texto, o diretor da Veja busca passar pano no que chama de “trapalhadas administrativas” no primeiro ano de mandato e faz elogios a Bolsonaro. “Na juventude, Bolsonaro era conhecido como “cavalão”, por sua velocidade nas provas de atletismo”.

Policarpo ainda busca vitimizar o presidente dizendo que “na solidão do Alvorada, andar de moto é a única diversão do presidente”, ao melhor estilo Veja de bajulação para conseguir gordas verbas publicitárias de governos.

A revista criada pela família Civita para adular a ditadura militar, ainda torce para a formação de uma “chapa imbatível” para as eleições de 2022, na dobradinha com o ministro da Justiça, Sergio Moro. Bolsonaro corrobora: ““Nós somos Zero Um e Zero Dois. Tem de ver se ele quer”.

No balanço do primeiro ano de governo, o jornalista recorre a um velho termo – alvissareiro – para, em mais uma bajulação, dizer que Bolsonaro é portador de “boas novas”.

“Para o presidente, o balanço é alvissareiro: reformas importantes foram aprovadas, a economia voltou a crescer, o desemprego dá sinais de recuo, a inflação está sob controle, os juros são os mais baixos da história, casos de corrupção institucional e de fisiologismo explícito sumiram do noticiário e a criminalidade está em baixa. Esses dois cenários aparentemente antagônicos retratam de certo modo o que foi o governo em 2019 — um misto de boas e más notícias. A questão fundamental que se apresenta é saber o que vai prevalecer de agora em diante”, finaliza.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum