Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
07 de agosto de 2019, 08h44

Bolsonaro vai permitir “devolução amigável” de rodovias e aeroportos privatizados

Empresas que enfrentam problemas econômicos poderão devolver aeroportos e rodovias para nova relicitação. Medida abrange concessões de empreiteiras envolvidas na Lava Jato.

Aeroporto de Viracopos, em Campinas (Foto: Viracopos)

Nesta quarta-feira (7), o presidente Jair Bolsonaro deverá baixar um decreto que permite a “devolução amigável” de concessões de rodovias e aeroportos privatizados, caso estejam enfrentando problemas econômicos. Posteriormente, novas relicitações ficarão disponíveis.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

A medida seria uma solução para o aeroporto de Viracopos, Campinas (SP), que tinha no controle as empreiteiras UTC e Triunfo, envolvidas na Lava Jato. Ambas pediram recuperação judicial. Algumas rodovias também passaram por processo semelhante.

A lei que permite as relicitações foi instituída em 2017. No entanto, o presidente na época, Michel Temer (PMDB) não concluiu a regulamentação do processo. Logo no início de seu governo, Bolsonaro sinalizou que resolveria a pendência. Porém, há uma divisão entre os ministros Paulo Guedes e Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura, com relação ao cálculo para indenização das concessionárias.

Para Guedes, de acordo com reportagem do jornal Folha de S.Paulo, o cálculo deveria ser feito com relação ao valor de mercado da concessão, o que praticamente anularia o recebimento de algum valor no ato da devolução, ou muito pouco. Tarcísio, no entanto, defende o uso do valor contábil dos investimentos não amortizados. Sua posição é a que atualmente prevalece.

Com exceção da concessionária MGO, responsável pela BR-050 entre Goiás e Minas Gerais, nenhuma das outras seis concessionárias concluiu a duplicação das estradas no prazo de cinco anos previstos no contrato. Algumas estradas, como BR-153, entre Tocantins e Goiás, caducaram em 2017. Ou seja, o contrato foi cancelado por descumprimento de obrigações, mesmo após tentativas de reequilíbrio.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum