Fórumcast #19
14 de agosto de 2019, 15h28

Brasil vive “ditadura sutil”, aponta artigo do New York Times

O jornalista e escritor argentino Bruno Bimbi, colunista do The New York Times, avalia que há cada vez menos espaço para a oposição e cada vez mais ameaças à liberdade de expressão no país de Bolsonaro

Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

O jornalista e escritor Bruno Bimbi publicou nesta quarta-feira (14) um artigo no The New York Times, onde já trabalhou como correspondente internacional, criticando a escalada autoritária promovida pelo governo de Jair Bolsonaro. Bimbi, que é argentino e viveu quase uma década no Brasil, avalia que há cada vez menos espaço para a oposição e cada vez mais ameaças à liberdade de expressão no país de Bolsonaro.

O texto destaca que o governo tem construído um clima de perseguição e violência, insano para uma democracia, através de notícias falsas, difamação de adversários, ataques a jornalistas, declarações do Planalto que incentivam ódio e reações mais radicalizadas de bolsonaristas mais raivosos. Bimbi ainda destaca que a ideologia de Bolsonaro não é herdada de generais conservadores, mas de torturadores do regime militar, como o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra.

Entre as estratégias usadas por Bolsonaro apontadas pelo jornalista está o uso de robôs e fake news nas redes sociais para se promover e destruir adversários. Bimbi destaca a atuação dos bots na defesa de Sérgio Moro e no ataque a Glenn Greenwald devido ao Vaza Jato através de um estudo que indica que cerca de 220 mil tuítes pró-Moro e anti-Glenn partiram de contas automáticas do Irã.

Veja também:  Como se faz análise de conjuntura?

O ataque à imprensa não se limita a Glenn e ao The Intercept, segundo o escritor, mas também avança para a mídia tradicional, como mostram episódios contra a Folha de S. Paulo, o Valor Econômico e as jornalistas Míriam Leitão e Isadora Peron. Assim como ameaças avançam forte sobre parlamentares eleitos pela oposição, como Jean Wyllys, que deixou o país antes de assumir o terceiro mandato como deputado federal, e a deputada Talíria Petrone, alvo recorrente das redes bolsonaristas.

“Nosso continente viveu épocas obscuras de ditaduras que usaram o medo, o silêncio e a morte como armas e deixaram feridas que nossos países ainda não se recuperaram. A comunidade internacional deve permanecer atenta perante os incessantes ataques aos críticos de Bolsonaro e aos jornalistas que fazem seu trabalho. Só assim que se poderá impedir que o Brasil passe de uma ditadura sutil a uma ditadura plena”, finaliza o jornalista.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum