Dados do Inpe confirmam aumento de 196% de queimadas no bioma Amazônia em agosto

Somente no mês foram registrados 30.901 focos ativos, contra 10.421 em relação ao mesmo período de 2018

No país de Jair Bolsonaro, as queimadas no bioma Amazônia tiveram um avanço de 196% em agosto de 2019, atingindo nada menos do que 30.901 focos ativos, contra 10.421 em relação ao mesmo período de 2018.

Os dados foram divulgados pelo Instituto Nacional e Pesquisas Espaciais (Inpe), com base em imagens de satélite.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

No caso de todo o território do país, as queimadas também aumentaram: foram 51.936 focos em agosto, aumento de 128% em relação ao mesmo mês de 2018, quando foram registrados 22.774 focos. São os maiores números registrados para agosto desde 2010, ainda de acordo com dados do Inpe.

Entre janeiro e agosto foram 90.501 focos no país todo, contra 52.926 no mesmo período do ano passado, o que representa aumento de 71%.

De janeiro a agosto de 2019 foram registradas 46.825 queimadas na região amazônica. No mesmo período de 2018, foram 22.165 focos ativos na região, o que equivale a um crescimento de 111%.

Amazônia Legal

A Amazônia Legal (totalidade do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins e parte do Maranhão) também teve aumento nas queimadas.

Publicidade

Em agosto de 2019 ocorreram 39.177 focos de queimadas. No mesmo período de 2018 foram 15.001, o que significa aumento de 161% neste ano.

Na comparação de janeiro a agosto de 2019 também houve crescimento das queimadas na Amazônia Legal: 64.386 focos contra 33.632 no mesmo período de 2018, aumento de 91%.

Publicidade
Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR