Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
30 de julho de 2019, 10h53

“É balela”, diz Bolsonaro sobre documentos públicos que revelam assassinatos da Ditadura

O documento secreto RPB 655, elaborado pelo Comando Costeiro da Aeronáutica comprova que o pai do presidente da OAB foi preso pelo regime militar e revela que Bolsonaro mente ao dizer que ele foi morto por grupos de esquerda

Bolsonaro (arquivo)

A ira revisionista, baseada em convicções, de Jair Bolsonaro em relação aos crimes cometidos pela ditadura militar no Brasil não tem fim. Nesta terça-feira (30), Bolsonaro classificou como “balela” os documentos públicos que mostram que Fernando Santa Cruz – pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz – desapareceu após ser preso pelo regime em 22 de fevereiro de 1974, no Rio de Janeiro.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Nós queremos desvendar crimes. A questão de 64, não existem documentos de matou, não matou, isso aí é balela”, disse Bolsonaro, dizendo que o que ele sabe “não tem nada escrito”. “Meu sentimento era esse”, afirmou.

Bolsonaro ainda atacou o trabalho da Comissão de Anistia, relacionando o órgão à ex-presidenta Dilma Rousseff (PT), que foi torturada pelo coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ídolo do presidente.

“Você acredita em comissão da verdade? Qual foi a composição da comissão da verdade? Foram sete pessoas indicadas por quem? Pela Dilma”, afirmou.

Documento
O documento secreto RPB 655, elaborado pelo Comando Costeiro da Aeronáutica, mostra que Jair Bolsonaro mentiu, ao dizer, nesta segunda-feira (29), que Fernando Santa Cruz foi morto por militantes de esquerda. O relatório militar comprova que o pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, foi preso pelo regime em 22 de fevereiro de 1974, no Rio de Janeiro.

Há outros relatos que desmentem a versão de Bolsonaro para o fato. No livro “Memórias de uma Guerra Suja”, o escritor Marcelo Netto, ex-marido da jornalista Miriam Leitão, é descrito que Fernando foi morto, em 1974, pelos militares, em um local que ficou conhecido como “Casa da Morte”. O imóvel ficava na cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum