Eduardo Bolsonaro insinua que desempregados estão rejeitando trabalho para boicotar o pai

" Nunca quiseram trabalhar. Agora estão com a desculpinha de 'bozo'", esbravejou o filho de Bolsonaro no Twitter ao divulgar nova teoria conspiratória contra o presidente. Desemprego afeta 13,8 milhões de brasileiros, segundo o IBGE

A mania de perseguição que acomete o clã presidencial tem provocado delírios cada vez mais intensos. Nesta quinta-feira (3), o deputado federal Eduardo Bolsonaro pinçou um comentário em uma publicação sobre a abertura de 4 mil vagas temporárias pela loja de departamentos C&A para embasar sua mais nova tese, de que brasileiros desempregados estão rejeitando trabalho para boicotar o pai, o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido).

“Mentira! Nunca quiseram trabalhar. Agora estão com a desculpinha de “bozo”. O nível só vai aumentando”, esbravejou Eduardo na publicação.

No comentário destacado pelo deputado, uma mulher dizia para as pessoas não aceitarem nenhum tipo de trabalho. “Isso é estratégia do Bozo para se reeleger, se o número de empregados aumentar, reeleição irá cair de mãos beijadas para ele”, diz o texto.

Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio na pandemia da Covid-19 (PNAD Covid, divulgada na terça-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que a taxa de desemprego no Brasil bateu novo recorde e atingiu 14,1% da população economicamente ativa.

O total de pessoas sem ocupação em outubro chegou a 13,8 milhões, também recorde da série, com um aumento de 2,1% sobre setembro e de 35,9% desde o início da pesquisa, realizada em maio.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR