domingo, 20 set 2020
Publicidade

Ernesto Araújo diz que democracia defendida por opositores é máscara do totalitarismo

Em aula a alunos da Escola Superior de Guerra – instituto de Altos Estudos de Política, Defesa e Estratégia, integrante do Ministério da Defesa do Brasil -, o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, lançou teses de Olavo de Carvalho para atacar adversários do governo dizendo que opositores do governo Jair Bolsonaro defendem uma democracia como máscara para o autoritarismo.

“Nessa coluna do realismo, nós temos a democracia condicionada pelo pensamento, condicionada pelos valores, condicionada por uma lógica que ultrapassa a realidade imedicata, condicionada à liberdade. Liberdade e democracia não se confundem. Liberdade é uma espécie de oceano onde navega a democracia. E eu diria que a democracia nessa concepção é vista como uma renúncia em grande parte ao exercício do poder”, diz, explicando a visão defendida pelo governo.

“Do outro campo, no campo nominalista, nós temos a democracia simplesmente como um nome. Simplesmente como uma palavra de ordem, um slogan, sem esse controle externo. A democracia como uma máscara do exercício do poder. E nesse campo, muitas vezes, nós vemos. apesar dos discursos em favor da democracia, admiração pelo totalitarismo e mesmo o respeito pelo totalitarismo. A menos a meu ver isso ocorre”, disse o ministro (assista a partir de 24 minutos no vídeo abaixo).

No início da palestra, Araújo afirmou que iria abordar a dicotomia durante o período da Covid-19 a partir de “duas visões de mundo muito diferentes, que estão se revelando diante desse momento de tanta dramaticidade”.

“Poderia falar isso em termos de esquerda e direita, mas não é para esse lado que queria levar, gostaria de levar mais para um lado, digamos assim, filosófico de um lado o realismo, de outro lado o nominalismo”, citando o comparativo entre as duas correntes filosóficas abordada comumente – muitas vezes de forma distorcida – por Olavo de Carvalho.

Araújo diz ainda que Jair Bolsonaro é uma “referência” do realismo e cita o versículo bíblico sempre lembrado pelo presidente como

“Para nós também, não vou me identitificar tanto assim, mas pelo lado do realismo, a verdade e a liberdade estão intimamente relacionadas. E a verdade é uma questão de conhecimento individual. Essa questão de verdade e liberdade está sempre muito presente nessa citação de João, 8:32, a que Bolsonaro sempre se refere e que eu uso como lema e acho que todos nós devemos refletir muito sobre isso: conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. É um conceito muito profundo”, diz ele.

Plinio Teodoro
Plinio Teodoro
Plínio Teodoro Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.