Fórumcast, o podcast da Fórum
21 de agosto de 2019, 11h03

Em carta à ONU, governo Bolsonaro insiste na extinção de parte dos conselhos de participação social

A ONU já havia criticado anteriormente a decisão de Bolsonaro de extinguir parte desses conselhos, mas o presidente manteve sua posição sobre a necessidade de realizar uma reforma

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Em carta enviada à Organização das Nações Unidas (ONU), no dia 14 de agosto, o governo de Jair Bolsonaro criticou a “proliferação excessiva” de conselhos e órgãos da administração pública, que permitem a participação da sociedade civil nas decisões políticas. A ONU já havia criticado anteriormente a decisão de extinguir parte desses conselhos, mas o presidente insistiu na necessidade de realizar uma reforma.

O decreto que sinalizava a extinção desses órgãos foi publicado no dia 11 de abril, o que causou reações internacional. Relatores, comitês e peritos da ONU criticaram duramente a decisão do presidente, pedindo que o mesmo abandonasse a ideia. Por conta das críticas, na carta deste mês, o Itamaraty justificou seu posicionamento, alegando que os órgãos representavam um custo elevado ao Estado brasileiro, mas que manteria parte deles.

O Facebook silenciou a Fórum. Censura? Clique aqui e nos ajude a lutar contra isso

Para os relatores da ONU, tal decreto “minaria a participação da sociedade civil em assuntos sociais, além de ser negativa para a democracia brasileira, estado de direito, inclusão social e desenvolvimento econômico”. Ainda na opinião da organização, os órgãos que lidam com idosos, grupos LGBT, combate à discriminação, erradicação de trabalho infantil e vários outros seriam duramente afetados.

Numa primeira avaliação, 55 órgãos colegiadas seriam extintos. “Estamos seriamente preocupados”, disseram os relatores, apontando que o decreto “mina o espaço cívico” e a “participação da sociedade civil dentro do governo federal”.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum