Fórum Educação
03 de agosto de 2019, 15h03

Ex-ministro de FHC, jurista alerta para risco de ditadura pelo voto

O ex-ministro da Justiça José Carlos Dias, um dos idealizadores da Comissão Arns, vê urgência na defesa das liberdades civis e dos direitos humanos em função dos retrocessos protagonizados pelo governo Bolsonaro

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Um sentimento misto de medo, indignação e tristeza. É assim como José Carlos Dias, ex-ministro da Justiça no governo FHC, avalia a presidência de Jair Bolsonaro. Em entrevista ao repórter Ricardo Kotscho, publicada na edição deste sábado (3) do jornal Folha de São Paulo, o jurista analisa o clima de intolerância que tomou conta do país. “Eu acho que a democracia corre risco de termos de novo a ditadura, agora pelo voto. Porque nós temos como presidente uma pessoa absolutamente desequilibrada. Tenho muito receio de um retrocesso nas conquistas democráticas que tivemos nos últimos 30 e tantos anos”, comenta.

Ex-presidente da Comissão de Justiça e Paz a Arquidiocese de São Paulo – um dos grandes polos de resistência democrática durante a ditadura militar – Dias é hoje um dos idealizadores da Comissão Arns, que leva o nome do ex-cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, uma referência em direitos humanos na história recente do país. “Nós nos unimos na luta contra a violência e o ódio”, explica  advogado que participa do movimento junto com personalidades como paulo Sérgio Pinheiro, Bresser Pereira,Margarida Genevois, Antonio Mariz de Oliveira, Paulo Vannuchi, André Singer e Belisário dos Santos Junior. ‘Resolvemos criar uma comissão com o nome do nosso padroeiro dom Paulo Evaristo, porque ele foi a síntese de toda a oposição séria deste país desde a criação da Comissão de Justiça e Paz, em 1972″, argumenta.

Criado em março, o movimento caminha ao lado de entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Associação Brasileira de Imprensa (ABI). “A sociedade civil hoje tem pulmões que a fazem respirar, e a Comissão Arns pretende ser um desses pulmões”, antecipa, lamentando que o clima de retrocesso que se anuncia no governo de Jair Bolsonaro. “Nós temos o dever agora de debater o problema da violência no plano nacional, com os olhos voltados para as graves violações de direitos humanos em todos os campos —o meio ambiente, a liberdade de expressão, educação, saúde, enfim, é uma variedade de temas que temos de pautar”, prossegue.

“Moro enganou muita gente”

O advogado mostra sua perplexidade com a inversão de ritos processuais praticada pelo ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro e pela força-tarefa da Lava Jato. “É inacreditável imaginar-se que um juiz e um procurador fiquem trocando figurinhas e preparando as jogadas para condenar alguém, para forjar provas”, critica Dias, para quem “a sociedade foi induzida ao erro, imaginando que a Lava Jato fosse imparcial”. “O Moro enganou muita gente”, critica.

Dias amplia sua decepção ao Supremo Tribunal Federal. “Esse último gesto do Toffoli, envolvendo a pessoa do filho do presidente (…) É inimaginável que ele monocraticamente impeça o progresso das investigações e ainda por cima marque para novembro o julgamento pelo plenário. Teria que ser na primeira sessão depois do recesso”, opina.

Questionado sobre como vê o papel os militares no governo Bolsonaro, José Carlos Dias reconhece que “nunca teve tantos”, mas diz acreditar que eles estão muito mais civilizados do que o chefe. “O papel deles é conter a fúria do presidente”, teoriza.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum