Flávio Bolsonaro diz que sofreu muito com denúncia de “rachadinha”

"Me sinto como se estivesse tido alta de um médico", disse o filho de Jair Bolsonaro, ao comemorar a decisão da 5ª Turma do STJ que praticamente anulou a investigação sobre o sistema de corrupção

O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) comemorou a decisão da quinta turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que suspendeu todas as decisões do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, nas investigações sobre o esquema de corrupção das “rachadinhas“.

Notícias relacionadas

“Não havia crime por minha parte. É um sofrimento que só quem passa pode entender, a família sofre junto. Me sinto como se estivesse tido alta de um médico. […] Com essa decisão do STJ, eu novamente posso voltar à vida normal, ainda com uma cicatriz, uma ferida fechada, mas vou ter mais tempo e liberdade”, disse o filho de Jair Bolsonaro em entrevista à Jovem Pan.

Na emissora aliada, o senador ainda fez questão de dizer que “nunca houve rachadinha no meu gabinete”.

“No jogo do poder, há situações que se criam dificuldades para manter a pessoa sob rédea curta, tentaram fazer isso comigo. Nunca houve rachadinha no meu gabinete. Da minha parte, nunca dei dinheiro e nunca pedi”.

Flávio, que manobra para colocar aliados em altos cargos do judiciário, também afirmou que “nunca quis privilégios por ser senador ou filho do presidente”.

“Um processo, que era para ser sigiloso, se tornou um linchamento, distorcendo os fatos com o intuito de desgastar o presidente. […] Nunca quis privilégios por ser senador ou filho do presidente, só que a Constituição e a legislação foram rasgadas”, disse o senador.

Decisão do STJ praticamente anulou a investigação

Apesar de todos os indícios, a 5ª turma do STJ acatou, por 4 votos a 1, embargos da defesa de Flávio Bolsonaro e anulou todas as decisões do juiz Flávio Itabaiana. Na prática, a decisão significa que o STJ simplesmente derrubou toda a investigação sobre o caso desde o início.

Dos ministros, apenas o relator, Jesuínio Rissato, que já tinha votado na sessão de 21 de setembro, se posicionou contra o pedido da defesa. Os demais, João Otávio de Noronha, Reynaldo Soares da Fonseca, Ribeiro Dantas e Joel Ilan Paciornik, foram favoráveis ao filho do presidente.

Publicidade

Flávio Bolsonaro é acusado de enriquecer por ter se apropriado de salários de funcionários do gabinete que mantinha na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), à época em que era deputado estadual.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.