Freixo aciona MPF para investigar farra de Eduardo Bolsonaro durante viagem a Dubai

Passeio da comitiva do governo de Jair Bolsonaro nos Emirados Árabes deve custar pelo menos R$ 3,6 milhões; críticas a Eduardo ganharam força após o deputado aparecer em foto com a família vestindo trajes de sheik árabe

O deputado federal Marcelo Freixo (PSB) acionou nesta segunda-feira (18) o Ministério Público Federal para investigar os gastos de Eduardo Bolsonaro (PSL) em viagem a Dubai, nos Emirados Árabes. “Queremos saber quem está pagando essa conta”, escreveu em publicação nas redes sociais.

“Ali Banana e os 40 ladrões do desgoverno Bolsonaro estão fazendo farra em Dubai enquanto 20 milhões de pessoas estão passando fome, catando comida no lixo. Nós da oposição acionamos o TCU para investigar essa balbúrdia, paga com dinheiro que está saindo do bolso dos brasileiros”, disse o parlamentar.

A críticas em cima de Eduardo Bolsonaro ganharam força neste domingo (17) após o deputado aparecer em foto com a família vestindo trajes de sheik árabe. Um site turístico da capital dos Emirados Árabes Unidos oferece a sessão fotográfica, com direito a trajes e maquiagem, realizada no Central Market Souk, por US$ 174.22 o casal e uma criança, cerca de R$ 955 ao câmbio de hoje.

Eduardo afirma que não gastou nem um centavo de recursos públicos no passeio pelos Emirados Árabes. “Eu não estou vindo aqui com dinheiro público. A minha vinda tem zero reais de dinheiro do contribuinte. Mas poderia estar aqui com dinheiro público, que ainda assim isso seria lucrativo e saudável para o Brasil”, disse o parlamentar em vídeo publicado no Twitter.

A farra da comitiva do governo de Jair Bolsonaro em Dubai, no entanto, deve custar pelo menos R$ 3,6 milhões. O objetivo do “trabalho-passeio”, como foi definido pelo secretário da Pesca, Jorge Seif, é promover o turismo brasileiro nos Emirados Árabes Unidos.

Em relação à ida da esposa dele, Heloísa Wolff Bolsonaro, Eduardo disse que se fez necessária porque, do contrário, ele não verá o crescimento da filha, que tem 11 meses. “Eu viajo muito, mas a viagem para cá é um dia de viagem. Se eu não fizer isso, dificilmente vou ver a minha filha crescer”, falou.

A esposa do Dudão tem publicado sequências de stories no Instagram ostentando com a família durante viagem oficial do marido a Dubai.

Na maioria dos vídeos e fotos, Heloísa aparece passeando pela cidade com a filha Geórgia, de 11 meses. Ela aproveitou para fazer turismo enquanto Eduardo cumpre agenda oficial.

Publicidade

Notícias relacionadas

Discussão com Freixo

Na noite deste domingo, Freixo já havia criticado os gastos de Eduardo em Dubai. “Isso é deboche com os brasileiros. Eduardo Bolsonaro levou a família junto com a comitiva do governo à Dubai e brinca de ser sheik, enquanto 19 milhões de pessoas passam fome no Brasil”, escreveu.

Eduardo, por sua vez, não gostou do comentário e respondeu o parlamentar: “Sabe por que brasileiros estão passando fome? Porque você apoiou o ‘fique em casa a economia, a gente vê depois’ enquanto aglomerava na praia de Ilha Grande com os amiguinhos sem máscara, hipócrita. Eu venho aqui para atrair empregos para o Brasil, para desfazer a merda que você fez aí.”

Publicidade

O parlamentar, então, retrucou: “Tome vergonha na cara, pare de brincar de sheik e vá trabalhar, Bananinha. Entendo que você queira passear enquanto ainda está em liberdade, mas quem está pagando essa conta não é seu papai não, é o povo brasileiro”, escreveu Freixo.

Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR